Doria e outros sete governadores são investigados pela PGR

Assim como Witzel, mandatários são suspeitos de irregularidades em contratos firmados durante a crise

  • Por Jovem Pan
  • 27/05/2020 14h32 - Atualizado em 27/05/2020 14h47
Roberto Casimiro/Estadão ConteúdoOs governadores só podem ser investigados após autorização do STJ

Oito governadores estão sendo investigados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por suspeitas de irregularidades em contratos firmados durante a crise do novo coronavírus. Segundo a Folha de S. Paulo, além do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), alvo de uma operação da Polícia Federal ontem em sua residência, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), também está na mira.

Wilson Miranda Lima (PSC-AM), Helder Barbalho (MDB-PA) e João Azevedo (PSB-PB) são outros nomes presentes, além de outros três mandatários não revelados.

De acordo com fontes ouvidas pelo jornal, a PGR já fez avaliações preliminares sobre as acusações e está encaminhando ao Supremo Tribunal de Justiça (STJ) pedido de autorização para a abertura do inquérito. Alguns requerimentos inclusive já estão no órgão. Os governadores só podem ser investigados após autorização do STJ.

Além do Rio, o inquérito mais avançado está no Pará.

Operação Placebo

A PF cumpriu ontem mandados de busca em endereços de Witzel por suspeita de fraudes e indícios de desvios de recursos públicos nas ações de combate à pandemia do novo coronavírus. O esquema de corrupção envolveria uma organização social contratada para a instalação de hospitais de campanha e servidores da cúpula da gestão do sistema de saúde.

Em resposta à operação, o governador afirmou que as ações da PF comprovam a interferência do presidente Jair Bolsonaro no órgão. “A interferência anunciada pelo presidente da República está devidamente oficializada”, disse, em nota.