Duas mil armas são destruídas pelo Exército e CNJ, no RJ

  • Por Jovem Pan
  • 20/12/2017 11h27
Marcelo Camargo/Agência BrasilOs materiais destruídos hoje foram utilizados em crimes ou recolhidos durante a Campanha do Desarmamento

O Conselho Nacional de Justiça e o Exército destruíram, na manhã desta quarta-feira (20), mais de duas mil armas apreendidas ou entregues à Justiça, em Deodoro, na zona oeste do Rio de Janeiro. A presidente do Supremo Tribunal Federal e do CNJ, Cármen Lúcia, acompanhou o processo.

As armas que foram destruídas não são consideradas necessárias para a condução dos processos que fazem parte. O material será encaminhado para siderúrgicas e passará por um processo de reaproveitamento do metal.

Os materiais destruídos hoje foram utilizados em crimes ou recolhidos durante a Campanha do Desarmamento.

Sem discurso, a ministra Cármen Lúcia saiu da base militar sem falar com a imprensa presente.