“Duque é um dos que vão, com certeza, morrer na cadeia”, diz membro da CPI da Petrobras

  • Por Jovem Pan
  • 19/03/2015 16h26
Renato Duque presta depoimento na CPI da Petrobras

Após Renato Duque passar grande parte de seu depoimento na CPI da Petrobras em silêncio e apenas defender-se em alguns momentos, o integrante da comissão e deputados Paulinho da Força (SDD-SP) disse que ele “é um dos que vão, com certeza, morrer na cadeia”.

Em entrevista ao repórter em Brasília, José Maria Trindade, o deputado falou sobre o depoimento. “É um depoimento que não houve. Eu fiquei um pouco irritado com isso. Ele era o número dois da corrupção na Petrobras. Eu fui um dos primeiros a ser assaltado por ele”, ressaltou o deputado.

Questionado sobre a sua perda financeira, Paulinho da Força afirmou que chegou a comprar R$ 18 mil em ações e que elas chegaram a R$ 300 mil, mas agora estão em R$ 40 mil: “isso significa que eu perdi muito com as ações da Petrobras”.

“Ele deveria colaborar com o Brasil. Eu falei que ele era muito cara de pau. Ele era o principal articulador do grupo de corrupção do PT”, disse. O integrante da CPI ainda acusou-o de ser o segundo chefe da quadrilha, “porque o primeiro ainda não apareceu”.

Segundo depoimento de Pedro Barusco, Duque chegou a receber US$ 200 milhões. “Eu cheguei a fazer uma conta. Se a gente contasse a cada um segundo e transformasse esse um segundo em R$ 1, a gente demoraria 12 anos e 7 meses para contar. Teria que contar no primeiro dia que Lula tomou posse e até hoje não teria terminado”, explicou.

Paulinho da Força disser ser algo “absurdo” o fato de Duque comparecer para prestar depoimento e permanecer em silêncio. “Vem pra CPI e não fala nada para poder colaborar com a situação. Isso é uma coisa absurda que a gente viu aqui hoje, que comandou o assalto a Petrobras”.

Convocação de João Vaccari Neto para depor na CPI

Na próxima terça-feira (24), será realizada a votação de requerimentos de convocação do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. O relator da CPI, deputado Luiz Sérgio disse a José Maria Trindade que se fosse para convocar um tesoureiro d eum partido, teriam que ser convocados tesoureiros de demais partidos. Já o presidente da CPI, deputado Hugo Motta, declarou em contrapartida que não há como convocar tesoureiros de outros partidos, uma vez que eles não estão envolvidos.

Sobre a convocação de Vaccari, o deputado Paulinho da Força foi bastante enfático: “João Vaccari é um dos principais articuladores dessa corrupção na Petrobras. Ele será convocado. Nós temos condição de convocar apesar do PT estar dizendo que não”.

“O senhor João Vaccari era o operador disso dentro do PT. O PT tem que parar de tentar jogar isso para os outros. A culpa é do PT e dos indicados deles na Petrobras. Não dá para ficar inventando outros para tentar jogar a culpa como faz o Governo Dilma. Queremos convocar João Vaccari e ele será convocado, com certeza”, finzalizou o deputado do partido Solidariedade.

*Ouça o áudio completo