E-mail para Dilma não tinha ligação com esquema, diz Costa

  • Por Agência Câmara Notícias
  • 05/05/2015 16h48
A ministra-chefe da Casa Civil

O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa admitiu à CPI da Petrobras ter enviado, em 2009, um e-mail à Dilma Rousseff, então ministra-chefe da Casa Civil e presidente do Conselho de Administração da Petrobras, alertando para o risco de paralisação de obras da estatal. Ele afirmou, no entanto, que o e-mail não tinha relação com o esquema de desvio de dinheiro.

Na mensagem, Costa alertava a então ministra de que o Tribunal de Contas da União (TCU) pretendia paralisar três obras da Petrobras por ter encontrado irregularidades. O documento foi encontrado pela Polícia Federal em um computador na sede da estatal.

O deputado Bruno Covas (PSDB-SP), um dos sub-relatores da CPI, perguntou se o e-mail tinha relação com o esquema de desvio de dinheiro, e Costa negou. “Como diretor de Abastecimento, não estava preocupado com desvio de dinheiro. Estava preocupado porque, se tivesse paralisação das obras, isso teria consequências. Nossos terminais, como o de Angra dos Reis, foram feitos para importação de petróleo e não de derivados. E as obras eram necessárias. Era de competência da minha diretoria o abastecimento do País”, explicou.

O deputado perguntou, em seguida, se era verdade que ele tinha sido convidado para o casamento da filha da presidente. “Sim, fui convidado e participei”, respondeu.