Edison Lobão vira réu por acusação de corrupção em Belo Monte

Edison Lobão, filho e nora são acusados de corrupção e lavagem de dinheiro na construção da Usina de Belo Monte, no Pará

  • Por Jovem Pan
  • 23/07/2019 17h27 - Atualizado em 23/07/2019 17h41
Marcos Oliveira/Agência SenadoEdison Lobão, ex-ministro de Minas e Energia, virou réu em caso de corrupção em Belo Monte

A Justiça aceitou na última sexta-feira (19) uma denúncia da força-tarefa da Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná (MPF/PR) contra o ex-ministro de Minas e Energia Edison Lobão e o filho, Márcio Lobão, por corrupção no contrato de construção da Usina de Belo Monte, no Pará.

Segundo o MPF, o ex-senador e o filho teriam recebido cerca de R$ 2,8 milhões em pagamentos ilícitos da Odebrecht entre 2011 e 2014. A denúncia diz que o dinheiro foi repassado em cinco entregas, no local onde Marta Lobão, esposa de Márcio Lobão, mantinha um escritório de advocacia com a família de seu sogro. A força-tarefa identificou Edison Lobão como “Esquálido” nas planilhas da Odebrecht.

Com a aceitação da denúncia, a 13ª Vara da Seção Judiciária de Curitiba também determinou o bloqueio de R$ 7.873.080,00 de bens e ativos financeiros em nome de Edison Lobão, Márcio Lobão e Marta Lobão.

Propinas em Belo Monte

Conforme a denúncia do MPF, o esquema de propinas na construção da Usina de Belo Monte envolvia integrantes do PT e do MDB. Na época da construção, a petista Dilma Rousseff era a presidente do Brasil, enquanto Michel Temer, do MDB, era o vice.

As empresas do Consórcio Construtor Belo Monte, entre elas a Odebrecht, se comprometeram a repassar 1% do valor do contrato de construção da Usina de Belo Monte para políticos do PT e PMDB.

Segundo a força-tarefa da Lava Jato, 45% do suborno seria direcionado para integrantes do PT, 45% para integrantes do MDB e 10% para Antônio Delfim Netto.