Em acareação, empresário reafirma que pagava propina ao PT em doação legal

  • Por Jovem Pan
  • 02/09/2015 12h09

A CPI da Petrobras ouve o empresário Augusto Mendonça NetoAugusto Mendonça Neto

Augusto Mendonça Neto, executivo da Toyo Setal, disse nesta quarta-feira (02) que fez doações ao Partido dos Trabalhadores (PT) a pedido do ex-diretor de serviços, Renato Duque, como forma de repassar propina.

Mendonça, Duque e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto participam de acareação da CPI da Petrobras em Curitiba. Mendonça é o único que se dispôs a falar, mas Duque esbravejou e disse que tudo o que tem sido dito a repeito dele por Mendonça é mentira.

Segundo o empresário Mendonça, quando ele visitou a sede do PT para oferecer as contribuições registradas, Vaccari não sabia do a respeito do pedido de Duque.

Mendonça diz também ter pagado propina diretamente a Duque.

“Parte dos pagamentos era feito em espécie e entregues a emissários em meu escritório. E parte era depositada em contas no exterior movimentadas por Mário Góes”, disse Mendonça. Preso na Operação Lava Jato, Mário Góes é acusado de ser operador do esquema e de intermediar o pagamento de propina por empresas contratadas pela Petrobras.

“Ele é um mentiroso”, repetiu Duque. “Mas ele mencionou o seu nome 125 vezes”, disse o deputado Altineu Cortes (PR-RJ). “Ele mentiu todas as vezes”, respondeu Duque.

Mendonça também reafirmou que o ex-tesoureiro do PT João Vaccari ligava para ele cobrando o pagamento de propina. Vaccari disse que vai permanecer em silêncio.

Com informações da Agência Câmara