Em crise financeira, Santa Casa de São Paulo anuncia redução de serviços e profissionais

  • Por Jovem Pan
  • 28/04/2018 10h08 - Atualizado em 28/04/2018 10h11
Wikimedia CommonsSanta Casa de São Paulo compromete 77% das receitas com despesas de pessoal

A Santa Casa de São Paulo quer reduzir 25% da mão de obra médica em todos os departamentos do hospital. A Instituição pediu para que cada departamento diminuísse os custos da forma necessária: com demissões ou com redução da carga horária dos profissionais.

O Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp) criticou a decisão e ressaltou a importância do Hospital para o SUS e para o serviço de saúde de São Paulo. O presidente do Simesp, Eder Gatti, diz que não há planejamento institucional por parte da direção e afirma que a decisão deve impactar o atendimento ao público. “Não foi algo planejado visando preservar outros serviços. A Santa Casa é um hospital muito específico e demitir um médico, muitas vezes, significa fechar um ambulatório ou parar de realizar um determinado procedimento ou cirurgia que só aquele profissional faz”, disse.

Em março deste ano, a Santa Casa de São Paulo já havia demitido 2/3 dos médicos psiquiatras, além de enfermeiros e psicólogos. Gatti explica que o sindicato recebeu denúncias de que acordos demissionais foram impostos aos profissionais dispensados. “Além de demitir, ela priva os direitos trabalhistas destes profissionais, como por exemplo, impondo restrições nas multas rescisórias da demissão. Tivemos que procurar o Ministério Público do Trabalho para conseguir conversar com a Santa Casa”, ressaltou.

Por meio de nota, a Santa Casa de São Paulo disse que está fazendo os ajustes necessários para continuar atendendo 2,5 milhões de pessoas por ano. A Instituição também afirmou que precisa melhorar os resultados financeiros para adequar os valores pelo qual é remunerada, seja por aumento de receita ou por diminuição de despesas.

O Hospital finaliza a nota alegando que 77% das despesas são efetuadas com pessoal, percentual que foge aos padrões desta atividade no mercado nacional.

*Com informações da repórter Nanny Cox