Embaixadores da UE e da China ainda aguardam nota técnica sobre Carne Fraca

  • Por Estadão Conteúdo
  • 19/03/2017 20h29
SP - OPERAÇÃO CARNE FRACA/AGROPECUÁRIA/FRAUDES/UE - ECONOMIA - Cortes de carne em açougue de São José dos Campos (SP). As autoridades da Europa querem explicações por parte do Brasil em relação às revelações sobre a corrupção nos certificados de carne no País. O bloco europeu, que importa o produto nacional, pediu esclarecimentos sobre o que as investigações apontaram e se as vendas ao exterior também tem sido alvo de propinas por parte de empresas. 19/03/2017 - Foto: NILTON CARDIN/ESTADÃO CONTEÚDO NILTON CARDIN/ESTADÃO CONTEÚDO Embaixadores da UE e da China ainda aguardam nota técnica sobre Carne Fraca - Estadão Conteúdo

Ao deixar o Palácio do Planalto, após reunião com o presidente Michel Temer, pelo menos dois embaixadores, o da União Europeia, João Gomes Cravinho, e da China, Li Jinzhang, foram cautelosos em apresentar uma posição de seus países em relação à carne importada do Brasil, demonstrando que as explicações dadas no encontro não foram suficientes.

Ambos disseram que ainda aguardam uma explicação oficial do governo brasileiro aos questionamentos feitos ao Ministério da Agricultura, em nota técnica a ser encaminhada ainda esta noite às representações estrangeiras. 

“O presidente, naturalmente, não entrou em questões técnicas. Estamos aguardando uma carta técnica do Ministério da Agricultura, ainda esta noite, com as respostas às perguntas que fizemos”, declarou Cravinho, à saída do Planalto. Ele lembrou que a decisão será tomada em Bruxelas, com base na “nota técnica”, mas reconheceu que a suspensão da compra de carne do Brasil “é uma possibilidade”. 

Cravinho declarou ainda que, depois de receber as informações técnicas, a União Europeia “vai calibrar” a natureza das irregularidades porque “ainda não temos informações que nos permitam avaliar se os problemas foram pontuais (como diz o Brasil), já que não se sabe exatamente quais unidades sofreram alterações indevidas e para que países esses produtos foram exportados.

O embaixador chinês, por sua vez, depois declarou ao jornal “O Estado de S.Paulo” que “não recebeu notícia” de que a China tenha decidido suspender a importação de carne brasileira. Questionado se saía tranquilo da reunião com o presidente, respondeu que “a segurança dos alimentos é muito importante para a segurança e a vida do povo”. Sobre o tamanho da preocupação de seu país com as importações de carne brasileira, ele afirmou: “Esperamos mais explicações”. 

Ele comentou, no entanto, que aceitou o convite de Temer aos 33 representantes estrangeiros que estiveram no Planalto de ir à churrascaria comer a carne brasileira. O embaixador da União Europeia, no entanto, declinou do convite porque precisava viajar.

O embaixador Cravinho informou ainda que Bruxelas certamente irá rever o calendário de inspeções nos frigoríficos brasileiros. Temer ofereceu aos estrangeiros a visita aos locais, para se certificarem da qualidade do tratamento dado aos produtos. Cravinho explicou que essas visitas já são feitas, esporadicamente, por amostragem, não só no Brasil, mas em outros países.