Empresário José Yunes depõe na PF de São Paulo

  • Por Estadão Conteúdo
  • 29/03/2018 12h28
Reprodução/GazetaEmpresário José Yunes teria sido intermediário de Temer ara captar propinas de empresas beneficiadas pelo Decreto dos Portos

O empresário e advogado José Yunes, preso nesta quinta-feira, 29, na Operação Skala, ainda estava depondo no final da manhã desta quinta-feira, 29, na sede da Superintendência da Polícia Federal em São Paulo. Yunes é alvo do inquérito que investiga suposto esquema de propinas no Decreto dos Portos, editado pelo presidente Michel Temer em maio do ano passado.

A suspeita da PF é que Yunes teria sido intermediário do presidente para captar propinas de empresas do setor portuário beneficiadas pelo decreto, entre elas a Rodrimar, cujo presidente, Antônio Celso Grecco, também foi preso na Operação Skala.

Temer já negou, por escrito à PF, que tenha solicitado a Yunes que recebesse recursos em seu nome “em retribuição pela edição da normas contidas no Decreto dos Portos”. Yunes também nega ligação com o esquema investigado pela PF.

O advogado José Luís Oliveira Lima, que defende Yunes, se manifestou por meio de nota. “É inaceitável a prisão de um advogado com mais de 50 anos de advocacia, que sempre que intimado ou mesmo espontaneamente compareceu à todos os atos para colaborar. Essa prisão ilegal é uma violência contra José Yunes e contra a cidadania”, diz o texto.