Especialista afirma que danos em Brumadinho podem ser iguais ao de Mariana

  • Por Jovem Pan
  • 25/01/2019 15h45 - Atualizado em 25/01/2019 16h01
Reprodução/Redes SociaisBarragem da Vale se rompeu em Brumadinho, em Minas Gerais, nesta sexta-feira (25)

É inevitável a comparação do rompimento da barragem Mina do Feijão, ocorrida no início da tarde desta sexta-feira (25), em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, com a tragédia de Mariana, quando o rompimento da barragem de Fundão em 2015, deixou 19 mortos e atingiu a Bacia do Rio Doce.

De acordo com Malu Ribeiro, coordenadora da Rede das Águas da Fundação SOS Mata Atlântica, os danos causados nesta sexta podem ser semelhantes ao de Mariana, já que a lama de rejeito deve atingir o Rio Paraopeba, que é um importante afluente da Bacia do Rio São Francisco.

“Os danos (ao meio ambiente) podem ser iguais. É o rompimento de uma barragem de rejeito. Mas, como não está chovendo na região, o material está descendo de uma forma mais lenta. Dependendo do volume, da contenção e das barragens que podem ser feitas, eles podem evitar que o material chegue ao Rio São Francisco”, comentou.

No entanto, a dificuldade para formar uma ação de contingência em casos como este em Brumadinho, mesmo após a tragédia em Mariana, é grande e pode impedir essa ação de segurança, segundo Malu Ribeiro: “Nós não conseguimos fazer isso no Rio Doce e em Brumadinho não existe sistema preparado para conter os rejeitos”, completou.

A coordenadora da Fundação SOS Mata Atlântica disse que após o atendimento às vítimas, será necessário acompanhar todo o leito do rio, monitorar o clima e tentar isolar os afluentes, para que eles não sejam contaminados, como aconteceu no Rio Doce, para assim ter uma dimensão mais precisa dos danos ao meio ambiente

“Todo o ecossistema aquático do Rio Paraopeba pode ser afetado e causar um desequilíbrio. No Rio Doce tivemos vários problemas com insetos, doença. Agora o momento é de socorrer as vítimas, de fazer um levantamento de quanto a Mata Atlântica foi atingida e o que a gente perdeu. E depois tentar ajudar essa fauna aquática”, explicou.