Ex-governador Beto Richa é preso pela terceira vez

  • Por Jovem Pan
  • 19/03/2019 07h46 - Atualizado em 19/03/2019 08h04
DivulgaçãoO ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB)

O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) voltou a ser preso na manhã desta terça-feira (19), em Curitiba (PR). Essa é a terceira vez que Richa é preso.

O pedido de prisão preventiva (ou seja, por tempo indeterminado) foi expedido no âmbito da Operação Quadro Nego. Deflagrada em 2015, a ação apontou desvio de ao menos R$ 18 milhões a partir de contratos entre a empresa Valor Construtora e a Secretaria da Educação do Paraná, para construções e reformas de escolas, durante o segundo mandato de Beto Richa (PSDB), entre 2011 e 2018.

O Gaeco cumpre também mandados de busca e apreensão em imóveis da família Richa em Caiobá, no litoral do Paraná, e Porto Belo, em Santa Catarina.

Além de Richa, também foram presos o empresário Jorge Atherino, apontado pelo MP como operador financeiro de Beto Richa, e Ezequias Moreira, ex-secretário especial de Cerimonial e Relações Exteriores do Paraná.

Prisões anteriores

O ex-governador Beto Richa tinha sido preso, pela última vez, em 25 de janeiro, na 58ª fase da Operação Jato. Três dias depois, o Ministério Público Federal (MPF) no Paraná denunciou o tucano à Justiça e mais 32 investigados pelos crimes de corrupção passiva e organização criminosa na concessão de rodovias estaduais. Segundo a acusação, Richa recebeu de R$ 2,7 milhões em propina.

Porém, por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), o ex-governador foi solto uma semana depois.

A primeira prisão de Richa foi em setembro de 2018 pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Paraná, quando ainda era candidato ao Senado nas eleições do ano passado. Ele foi denunciado por corrupção passiva e fraude a licitação.

Dias depois, ele foi solto por decisão do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF).