Ex-namorado tatua o próprio nome no rosto de menina à força; Justiça determina prisão preventiva dele

Garota de 18 anos já tinha duas medidas protetivas contra o antigo namorado, que a agredia e ameaçava

  • Por Jovem Pan
  • 23/05/2022 17h14
Reprodução / Facebook Tatuador agride ex-namorada e tatua nome dele à força no rosto dela Tatuador agride ex-namorada e tatua nome dele à força no rosto dela

O tatuador Gabriel Coelho, de 20 anos, morador da cidade de Taubaté, foi preso no último sábado, 21, após tatuar o próprio nome no rosto de uma ex-namorada à força. A menina, de 18 anos, havia saído para ir a um curso na última sexta, 20, e não retornou para casa. A mãe preocupada, registrou boletim de ocorrência pelo desaparecimento da menina por volta das 22h. A garota retornou para casa na manhã de sábado, 21, com a tatuagem e hematomas. Segundo Débora, Gabriel cercou a jovem na rua, a obrigou a entrar em seu carro e a manteve em sua casa durante a noite de sexta-feira para sábado, obrigando-a a submeter-se à tatuagem. Ele foi preso em flagrante por descumprir duas medidas protetivas em vigor que o obrigavam a se manter afastado da ex-namorada. Em audiência de custódia realizada neste domingo, 21, foi determinado que ele siga detido em prisão preventiva no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Taubaté.

A menina e Gabriel começaram a namorar em 2019, e no começo, tudo ia bem. Cerca de um ano após o início do relacionamento, o tatuador começou a ter crises de ciúme e a agredir a jovem, época em que a mãe conseguiu a primeira medida protetiva. Os dois ficaram oito meses separados, e reataram após ele prometer que não a agrediria mais – no entanto, ele a ameaçava e por vezes a deixava incomunicável. A família mandou a garota para São Paulo por um tempo, mas uma oportunidade de emprego a levou de volta para Taubaté, quando as ameaças recomeçaram, época que a segunda medida protetiva foi aplicada. Após o ocorrido na sexta, a mãe relatou que a menina também tinha hematomas no rosto, resultado de ter sido agredida e imobilizada, e que ela foi forçada a gravar um vídeo no qual “autorizaria” a tatuagem. De acordo com Débora, a menina está muito abalada com o acontecido e a família busca não deixá-la sozinha para evitar que ela cometa suicídio.