Executivo diz que propina saía do lucro e nega superfaturamento na Petrobras

  • Por Agência Câmara
  • 23/04/2015 11h34
Augusto Mendonça Neto

O empresário Augusto Mendonça Neto, executivo da Setal Engenharia, uma das empresas investigadas pela Operação Lava Jato, afirmou à CPI da Petrobras que a propina paga a diretores da estatal saía da margem de lucro das empresas e não de superfaturamento das obras.

Essa afirmação confirma depoimento do ex-diretor Paulo Roberto Costa feito à Justiça Federal em processo de delação premiada.

Segundo Mendonça, a Comissão de Licitação da Petrobras recebia ao mesmo tempo as propostas das empresas interessadas em determinado contrato e a avaliação de custo feita pela própria estatal. “Tinha um setor da Petrobras encarregado de estimar os custos e isso era muito bem feito, como fariam as melhores empresas de engenharia”, disse.

Mendonça disse que havia uma faixa de preços que as empresas podiam apresentar para ter a chance de ser contratadas. A proposta das empresas tinha que estar na faixa entre 15% abaixo e 20% acima do custo de referência apresentado pela própria Petrobras.

“Não havia como ter superfaturamento”, disse, ao responder pergunta do relator da CPI, deputado Luiz Sérgio (PT-RJ).

Duque e Costa

“Eles não poderiam ter feito o que fizeram sem trabalhar em conjunto”, disse também Mendonça sobre a atuação dos ex-diretores Renato Duque e Paulo Roberto Costa.

Em depoimento de delação premiada à Justiça Federal, ele disse que sua empresa pagava propina de 1% sobre o valor do contrato para a Diretoria de Abastecimento, ocupada por Paulo Roberto Costa, e outros 2% para a Diretoria de Engenharia e Serviços, ocupada por Renato Duque.

Mendonça está sendo ouvido como testemunha e se comprometeu a dizer a verdade durante o depoimento.