Fake news atrapalham buscas por sobreviventes em Brumadinho, alerta porta-voz dos Bombeiros

  • Por Jovem Pan
  • 30/01/2019 16h59
Alex de Jesus/Estadão ConteúdoBombeiros já encontraram 84 corpos na região e ainda há 276 desaparecidos

Informações falsas prejudicando o trabalho do Corpo de Bombeiros em Brumadinho (MG), alertou nesta quarta-feira (30) o porta-voz da corporação, tenente Pedro Aihara. Grupos participam de intensa atividade de busca por desaparecidos na região, onde uma barragem de rejeitos de minério da Vale se rompeu na última sexta (25).

“O serviço das forças de segurança tem sido bastante prejudicado com fake news, notícias falsas. Toda a veiculação desse tipo de notícia, quando é falsa, prejudica muito e atrasa o importante trabalho que a gente está fazendo em relação à recuperação desses corpos”, destacou o Aihara durante entrevista coletiva concedida a jornalistas.

Como exemplo, o tenente citou conteúdos divulgados na internet que indicavam a existência de sobreviventes em determinado lugar da cidade. Quando são acionados por ou pistas desse tipo, explicou Aihara, os bombeiros precisar “ir atrás” e conferir se naquele local sugerido haveria ou não alguma pessoa que resistiu à tragédia.

Intoxicados

Outras informações falsas registradas pelo Corpo de Bombeiros de Minas Gerais indicam que os alguns militares teriam ficado “intoxicados com a lama” de rejeitos de minério, o que motivaria a interrupção de buscas. Segundo Aihara, a corporação se baseia em laudos técnicos e que há procedimentos para evitar eventuais doenças.

“Como nossos militares ficam durante longos períodos expostos a essa água, a gente ministra um antibiótico, principalmente para prevenir o contágio de leptospirose. A população em geral não precisa se preocupar com isso. Esse antibiótico só deve ser administrado na população em geral se ela apresentar sintomas”, explicou.

*Com informações da Agência Brasil