Família de advogada morta pelo marido em Guarapuava contrata perícia particular

  • Por Jovem Pan
  • 15/08/2018 13h01
Reprodução/Eduardo Andrade/RPCA perícia particular começou por volta das 11h desta quarta-feira (15) e começou pela parte de fora do edifício e pelo hall de entrada do edifício

A família da advogada Tatiane Spitzner, morta pelo marido, Luís Felipe Manvailer, em Guarapuava (PR), contratou um perito particular para fazer medições e fotografias do prédio em que eles moravam.

A perícia particular começou por volta das 11h desta quarta-feira (15) e começou pela parte de fora do edifício e pelo hall de entrada do edifício. O apartamento do casal deve ser periciado no começo da tarde e na presença de uma autoridade policial.

Promotores do Ministério Público acompanham a perícia particular, que é conduzida pelo assistente técnico Altamir Coutinho, aposentado do Instituto de Criminalística do Paraná. As medições e ilustrações são feitas também com a ajuda de um drone.

A perícia foi autorizada na segunda-feira (13) pela juíza Paola Gonçalves Mancini. Foi autorizado ainda que a família da advogada retire os pertences dela do local, mas os móveis e pertences da sala e escada devem permanecer nos locais.

O caso

O Ministério Público do Paraná denunciou nesta segunda-feira (06) o biólogo Luís Felipe Manvailer, acusado de agredir e matar a esposa Tatiane Spitzner em Guarapuava.

Mainvailer foi denunciado pelo crime de homicídio qualificado por meio cruel, impossibilidade de defesa da vítima, motivo fútil e feminicídio – que é o assassinato pelo simples motivo da vítima ser mulher.

De acordo com o laudo da perícia, a advogada foi esganada antes de ser jogada do quarto andar, onde morava com Luís Felipe. O advogado da família da vítima, Gustavo Scandelari, explicou que a denúncia reflete a expectativa dos familiares de Tatiane.

As câmeras de segurança do prédio registraram pelo menos 8 minutos de agressões contra Tatiane. De acordo com as investigações, o casal discutiu em um bar e a advogada foi agredida no caminho de volta para casa, na madrugada do dia 22 de julho.

Ainda dentro do carro e na rua do edifício que moravam, a vítima sofre diversos golpes de Luís Felipe. Na garagem, Tatiane é retirada a força e sofre mais agressões, chegando a ficar no chão por cerca de dois minutos.

Ela tenta fugir de Luís Felipe diversas vezes, mas o biólogo – que também é lutador de artes marciais – segura Tatiane e continua agredindo a mulher na garagem e também no elevador.

As imagens do circuito interno mostram que depois de jogar a advogada pela sacada, o agressor recolheu o corpo e subiu com ele para o apartamento antes de fugir.

No local, foram encontradas substâncias que indicam o uso de anabolizantes por parte do autor do crime para aumentar a massa muscular.

Depois que as imagens foram divulgadas e repercutiram nas redes sociais, usuários da internet questionaram se havia algum funcionário do prédio que deveria acompanhar as câmeras de segurança.

De acordo com o doutor Gustavo Scandelari, não há indícios de que alguém estaria vendo as imagens do circuito interno. O advogado da família de Tatiane afirma que apenas os vizinhos ouviram os gritos de socorro da advogada.

Luís Felipe Mainvailer foi preso após se envolver em um acidente de carro em São Miguel do Iguaçu, quando seguia em direção ao Paraguai. A expectativa é finalizar o julgamento ainda neste ano.