IBGE: 1,1 milhão voltaram ao trabalho com flexibilização do isolamento

Entre 7 e 13 de junho, 12,393 milhões pessoas ainda estavam afastadas dos postos de trabalho por causa da pandemia

  • Por Jovem Pan
  • 03/07/2020 17h20
BRUNO ROCHA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDOEntre 7 e 13 de junho, 12,393 milhões pessoas ainda estavam afastadas dos postos de trabalho por causa da pandemia

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Covid (Pnad Covid), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (3), apontam que cerca de 1,1 milhão de pessoas voltaram aos postos de trabalho na semana de 7 a 13 de junho, quando o isolamento social contra a disseminação do coronavírus foi flexibilizado.

Entre 31 de maio e 6 de junho, 13,504 milhões de trabalhadores estavam afastados como medida de segurança contra a pandemia. Já na semana seguinte, o número caiu para 12,393 milhões. Entre os trabalhadores ocupados, 12,5% deles, o equivalente a 8,5 milhões de pessoas, trabalhavam remotamente na semana de 7 a 13 de junho, ante 8,9 milhões de trabalhadores em trabalho remoto na semana anterior.

Na segunda semana de junho, a taxa de desemprego também aumentou no País e passou de 11,8% na semana de 31 de maio a 6 de junho para 12,4% na semana de 7 a 13 de junho. No mesmo período, o número de desempregados cresceu de 11,228 milhões para 11,854 milhões. O total de trabalhadores ocupados diminuiu, de 83,733 milhões para 83,479 milhões, o equivalente a 254 mil demissões em uma semana.

A população inativa, que não estava trabalhando nem procurava por trabalho, caiu de 75 milhões na primeira semana de junho para 74,9 milhões na segunda semana. Dessa população que estava fora da força de trabalho, cerca de 26,7 milhões de pessoas (ou uma fatia de 35,7%) disseram que gostariam de trabalhar. Na semana anterior, esse contingente somava 26,8 milhões de pessoas. O nível de ocupação desceu de 49,3% na primeira semana de junho para 49,0% na segunda semana do mês. A taxa de informalidade também diminuiu de 35,6% para 35,0% no período.

Segundo o IBGE, cerca de 18,2 milhões de inativos não procuraram trabalho por causa da pandemia ou por não encontrarem uma ocupação na localidade em que moravam.

*Com Estadão Conteúdo