Flordelis prestou depoimento por mais de 10 horas em Niterói

  • Por Jovem Pan
  • 25/06/2019 06h22 - Atualizado em 25/06/2019 06h24
José Lucena/Estadão ConteúdoA deputada federal admitiu que pode ter se equivocado na primeira versão apresentada sobre a morte do marido

A deputada federal Flordelis passou cerca de 10 horas na Divisão de Homicídios da região metropolitana do Rio de Janeiro prestando depoimento no caso envolvendo o assassinato do marido dela, o pastor Anderson do Carmo, no domingo (16).

A parlamentar, que foi na condição de testemunha ao local, não falou na entrada e nem na saída do depoimento. Ela admitiu em redes sociais que pode ter se equivocado em uma primeira versão apresentada sobre a morte do marido.

Flordelis, logo após o assassinato, cogitou que o pastor tinha sido vítima de um assalto, mas investigações da Polícia apontam para uma trama muito mais intricada e cercada de mistérios e interrogações.

Inicialmente, o filho biológico da deputada teria admitido em depoimento que efetuou seis disparos contra o pastor, motivado por um relacionamento extraconjugal do padastro com outra mulher.

Nesta segunda-feira (24), o advogado de Flávio dos Santos, Anderson Rollemberg, negou que seu cliente tenha confessado. “Ele falou pra mim que não confessou, a autoridade diz que houve confissão mas ele diz que não”.

A arma supostamente usada na morte de Anderson do Carmo foi encontrada no quarto de Flávio, na casa da família. Em 2018, inclusive, Flávio dos Santos tentou registro no Exército para adquirir uma arma de fogo na condição de colecionador. A permissão não foi concedida.

Flávio dos Santos e o irmão Lucas dos Santos, também supostamente envolvido no assassinado, serão transferidos nessa terça-feira (25) para o sistema prisional do Rio de Janeiro.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga