Força, CTB e CSB reagem com ‘estranheza’ à fala de Padilha sobre terceirização

  • Por Estadão Conteúdo
  • 17/06/2016 13h02
Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados Paulinho da Força - Ag. Câmara

Os presidentes da Força Sindical, Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) e Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) reagiram com “estranheza” às declarações, proferidas nesta quinta-feira (16), do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, em defesa da terceirização de trabalhadores.

“Causou-nos estranheza as declarações do ministro. Não vamos permitir qualquer mudança na legislação trabalhista que retire direitos aos trabalhadores. Qualquer ação de alteração, neste momento, sofrerá uma forte reação do movimento sindical”, diz a nota, assinada por Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, um dos líderes do impeachment na Câmara, além de outros representantes dos órgãos, Adilson Lopes e Antonio Neto.

Pela manhã desta quinta, durante evento com empresários, em São Paulo, Padilha afirmou que era necessário “caminhar no rumo das terceirizações” Ele foi aplaudido pela plateia.

Conforme os sindicalistas, a proposta de reforma trabalhista é levantada por “oportunistas de plantão” sempre que o Brasil entra em crise econômica e o governo do presidente em exercício Michel Temer precisa “ficar atento” para o tema.