Forças Armadas reforçam segurança em Penitenciária Federal de Brasília

  • Por Jovem Pan
  • 07/02/2020 12h24 - Atualizado em 07/02/2020 12h40
Marcelo Camargo/Agência BrasilPenitenciária federal de segurança máxima de Brasília

A Penitenciária Federal de Brasília contará com a segurança das Forças Armadas a partir desta sexta-feira, dia 7. O emprego da força militar na operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) foi um pedido do Ministério da Justiça e Segurança Pública, autorizado por um decreto já publicado no Diário Oficial e assinado pelo presidente Jair Bolsonaro. 

O presídio abriga Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, um dos líderes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), considerado um dos presos mais perigosos do país. 

Em nota, o Ministério da Justiça e Segurança Pública informou que ação tem apenas caráter preventivo, e se soma a uma série de medidas adotadas para “manter elevado nível de segurança do local onde estão isolados integrantes de organizações criminosas”.

Embora a gestão do sistema penitenciário federal seja de atribuição da pasta de Sergio Moro, caberá ao Ministério da Defesa a gestão dos militares no local. Por razões estratégicas, os órgãos envolvidos não informam o número de agentes empregados na ação.

Desde a transferência de Marcola para Brasília, surgem boatos de que a facção planeja resgatá-lo. Em 2019, o portal Metrópoles noticiou que a segurança no entorno do presídio havia sido intensificada, porém, em a pasta informou que se tratava apenas de um cuidado extra para a realização de uma obra nas estruturas da penitenciária. 

No entanto, em janeiro de 2020, a Polícia Civil do Estado deflagrou uma operação para desarticular uma célula que, segundo investigadores locais, atuaria na capital do país. À época, os delegados envolvidos na operação Guardiã 61 afirmaram que frequentemente recebem alertas sobre possíveis tentativas de resgatar Marcola.

* Com informações da Agência Brasil.