Fuvest: tema da redação é a importância do passado para a compreensão do presente

  • Por Jovem Pan
  • 06/01/2019 18h04
Estadão ConteúdoPara Eva Albuquerque, professora de redação do Cursinho da Poli, a proposta da redação é "contemporânea" e não deve ter trazido dificuldades para os candidatos
A redação da segunda fase da Fuvest, vestibular que é uma das formas de acesso às vagas da Universidade de São Paulo (USP), teve como tema a “importância do passado para a compreensão do presente”. Neste domingo, 6, além da redação, os candidatos também tiveram que responder a dez questões de Língua Portuguesa.

O enunciado da redação apresentava a imagem de uma escultura de um menino negro jogando um balde de tinta branca na cabeça, além de textos que falavam sobre o incêndio no Museu Nacional do Rio de Janeiro e o progresso na história da sociedade.

Para Eva Albuquerque, professora de redação do Cursinho da Poli, a proposta da redação é “contemporânea” e não deve ter trazido dificuldades para os candidatos. Segundo ela, o tema deste ano apresenta uma “quebra” em relação aos anos anteriores, em que a Fuvest cobrava assuntos mais filosóficos e distantes da atualidade.

“Ainda é preciso esperar os textos de apoio, porque a proposta ainda parece muito ampla. Mas a Fuvest pode ter cobrado do aluno uma interpretação sobre a vida pessoal, social, cultural e até mesmo política. Não acho que os alunos tenham tido dificuldade”, afirma.

Os primeiros alunos a saírem da prova, por volta das 16 horas, disseram que o tema surpreendeu. No texto, eles se dividiram entre citações de exemplos históricos. A estudante Geovanna Gabriela de Jesus Barbosa, 17, citou a relação entre o impacto da escravidão para o racismo atual. Ela quer cursar Gestão de Políticas Públicas. “Achei difícil porque era muito aberto e podia fugir muito fácil do tema. Estou um pouco preocupada”, afirma.

A democracia grega como sistema que foi evoluindo até hoje e a forma pacífica com que Gandhi protestava, “o que pode servir de inspiração para os povos de hoje”, foram as referências utilizadas por Lucas Dorigo Khater, 17, inscrito para cursar Engenharia Elétrica. Para ele, o tema exigia conhecimento em conteúdo do Ensino Médio, principalmente de História, Filosofia e Sociologia.

Gabriel Afonso, de 19 anos, citou a queda do Muro de Berlim e a preservação de pedaços da estrutura até hoje como forma de lembrança histórica. “Foi um tema que abriu margem para muitas reflexões, com todo tipo de referência”, diz.

Neste domingo, a Fuvest realizou a primeira prova da segunda fase do vestibular, com questões de Língua Portuguesa e a Redação. Segundo a organização do exame, foram convocados 35.371 candidatos para essa etapa da seleção, quantidade 62,3% maior do que em 2018. O primeiro dia de exame apresentou um índice de abstenção de 7,7%.

Nesta segunda-feira, 7, os estudantes farão os exames específicos de cada área.