Geddel recusa comida de presídio e insiste em acesso a cantina

  • Por Jovem Pan
  • 10/07/2018 15h06
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil"Geddel vem se comportando de forma indisciplinada", diz o despacho da juíza de execução penal

O ex-ministro Geddel Vieira Lima segue indisciplinado mesmo após ser colocado em cela individual, aponta a direção do Presídio da Papuda, em despacho da juíza Leila Cury, da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal. A informação foi divulgada pela repórter da Globo Andréia Sadi.

Geddel foi colocado na solitária em 27 de junho após desrespeitar ordem de agente penitenciário. O ex-ministro emedebista esta em prisão preventiva determinada pelo juiz Vallisney Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, após R$ 51 milhões em espécie terem sido encontrados em um apartamento por ele utilizado em Salvador, na Operação Cui Bono.

Na cela individual, o custodiado perdeu o acesso à cantina, à televisão e a visitas.

Agora, Geddel recusa receber parte da comida a que tem direito, não usufrui de seu banho de sol e reclama do tratamento a ele dispensado. Segundo a magistrada, o ex-ministro ainda não colocou a própria saúde em risco, mas ela já autorizou, preventivamente, que Geddel deixe a penitenciária e receba tratamento hospitalar externo caso seja necessário.

“Considerando a responsabilidade do Estado pelo resguardo da integridade física das pessoas em privação de liberdade, fica autorizado desde já, em caso de urgência que não possa ser atendida pela equipe de saúde do estabelecimento prisional, o encaminhamento do custodiado para a rede externa de saúde, caso necessário”, diz o despacho revelado por Sadi.

O documento mostra, no entanto, que a equipe da Papuda já tentou encaminhar Geddel para ser atendido em hospital externo. Mas o ministro também recusou a medida. “E ainda ameaçou fazer escândalo caso o retirassem de lá”.

“Informa (a direção do presídio), ainda, que mesmo em isolamento disciplinar, Geddel vem se comportando de forma indisciplinada e vem se recusando ao recebimento de parte das quatro refeições diárias ordinariamente disponibilizadas a todas as pessoas em privação de liberdade naquela unidade prisional, insistindo em ter acesso à cantina do Bloco 5. Além disso, ele se recusa a sair diariamente para o banho de sol”, afirma a juíza.

Segundo o documento, o ministro recusa parte das quatro refeições disponibilizadas e aceita apenas o café e a ceia, que correspondem “a dois pães, sendo um deles recheado, um achocolatado e um suco, não havendo, por ora, indícios de riscos à sua saúde”.

Relatório psiquiátrico do fim do mês passado aponta que o político se encontra “um pouco irritado e impulsivo, o que é compatível com o período de mudança da medicação antidepressiva”.