General Villas Bôas chama Olavo de Carvalho de ‘Trotski de direita’

  • Por Jovem Pan
  • 06/05/2019 16h01
Marcelo Camargo/Agência BrasilVillas Bôas acusou Olavo de acentuar as divergências nacionais em um momento em que o país necessita de coesão

O ex-comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, reagiu às críticas do escritor Olavo de Carvalho contra os militares do governo de Jair Bolsonaro. Ele chamou o filósofo de “Trotski de direita”, após Olavo ter feito comentários contra o ministro da Secretaria de Governo, o militar Carlos Alberto Santos Cruz.

Villas Bôas escreveu, no Twitter, que “mais uma vez o sr. Olavo de Carvalho a partir de seu vazio existencial derrama seus ataques aos militares e as Forças Armadas demonstrando total falta de princípios básicos de educação, de respeito e de mínimo de humildade e modéstia. Verdadeiro Trotski de direita, não compreende que substituindo uma ideologia pela outra não contribui para a elaboração de uma base de pensamento que promova soluções concretas para os problemas brasileiros”.

Ele declarou, ainda, que o escritor “acentua as divergências nacionais no momento em que a sociedade precisa recuperar a coesão e estruturar um projeto para o país”, e que a “escolha dos militares como alvo é compreensível por sua impotência diante da solidez dessas instituições e a incapacidade de compreender os valores e princípios que as sustentam”.

A polêmica começou após uma entrevista de Santos Cruz a jornalista Vera Magalhães durante o programa 3 em 1, em que ele defendeu o uso “disciplinado” das redes sociais. Olavo não gostou da declaração, e o comparou ao ministro Ciro Gomes (PDT) e disse que ele “fofoca e difama pelas costas”. Santos Cruz retrucou dizendo que ele era “um desocupado esquizofrênico”. Em resposta, o filósofo escreveu ofensas ao general no Twitter, mas negou que o queira tirar do cargo.

“Não sou um agente político, sou um escritor e professor. Não quero tirar o Santos Cruz da p…. de ministério que ele ocupa. Quero apenas despertar sua inteligência e seu senso moral para que ele corrija o imenso mal que está fazendo. Fique com o cargo, mas tome jeito”, afirmou.

Bolsonaro tem boa relação com Villas Bôas. Após deixar o comando do Exército, o general virou consultor do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, órgão comandado pelo general Augusto Heleno. Em janeiro, o presidente recém-empossado disse que Villas Boas era “um dos responsáveis” por sua eleição. Já Villas Bôas diz que Bolsonaro resgatou Brasil de “amarra ideológica”.

* Com informações do Estadão Conteúdo