Gilberto Kassab vira réu por irregularidades em inspeção de veículos

  • Por Jovem Pan
  • 01/03/2019 14h15
Antonio Cruz/Agência BrasilEx-prefeito também é suspeito de e receber R$ 58 milhões do grupo J&F

O Ministério Público do Estado de São Paulo abriu uma ação civil pública contra o ex-prefeito da de São Paulo Gilberto Kassab (PSD) por improbidade administrativa. Ele é suspeito de irregularidades na licitação e contratação da inspeção veicular no período em que esteve à frente da Prefeitura de São Paulo (entre 2006-2013). Kassab também foi citado em investigações da Lava Jato e está licenciado de seu cargo de secretário do governo João Doria (PSDB). Na Lava Jato, o ex-prefeito é suspeito de receber R$ 58 milhões do grupo J&F. Kassab nega as acusações. Outros 25 réus foram incluídos nessa mesma ação.

A ação diz que Kassab teria dado vantagens indevidas à Controlar, empresa que contratou e com qual renovou contrato de serviços de inspeção veicular na cidade. Segundo o MP, ainda, a empresa não cumpria alguns dos requisitos básicos para a prestação do serviço.

O Ministério Público também constatou inconstitucionalidade na lei municipal que criou a obrigatoriedade de inspeção de veículos.

A assessoria de imprensa de Kassab informou que o ex-prefeito “prestará todos os esclarecimentos que se façam necessários, para demonstrar que agiu na defesa do estrito interesse público”, e destacou que Kassab já foi absolvido pelo Tribunal de Justiça em ação criminal sobre o mesmo caso.

Em setembro de 2017, o ministro do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli determinou arquivamento de inquérito que tramitava contra o ex-prefeito de São Paulo, que na ocasião era ministro das Comunicações, Ciência e Tecnologia, por supostas irregularidades em pagamentos feitos à empresa Controlar durante realização da inspeção veicular na capital paulista, extinta em 2013.

O ministro acatou manifestação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que recomendou o arquivamento do caso.

*Com informações do Estadão Conteúdo