Governo de SP anuncia que destinará R$ 7,2 bilhões para combate ao coronavírus

  • Por Jovem Pan
  • 23/03/2020 13h07 - Atualizado em 23/03/2020 13h52
Governo do Estado de São PauloAs ações seguem às posições do governo estadual frente à Covid-19

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta segunda-feira (23) novas medidas para enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. As ações seguem as posições estaduais frente à Covid-19, doença que já infectou mais de 631 pessoas em São Paulo.

Entre as ações, o governo de São Paulo afirmou que destinará a quantia de R$ 1,2 bilhão, que seria repassada ao Tesouro Nacional para pagar a dívida estadual com o governo federal, para ações de combate à pandemia somando, no total, R$ 7,2 bilhões em recursos.

“Fizemos isso para proteger vidas. Portanto, até 30 de julho, teremos R$7,2 bilhões destinados para o enfrentamento da epidemia no Estado de São Paulo”, afirmou o governador João Doria.

Doria disse ainda que o governo de São Paulo, em parceria com a prefeitura, criará a rede Coronavírus de testes, que possibilitará a realização de 2 mil exames para a doença por dia.

Outra medida será a criação de uma rede de triagem do coronavírus que funcionará em cinco centros para atendimento aos suspeitos da Covid-19.

Além da criações das redes de atendimento e testes, João Doria também contou que, em parceria com os Hospitais das Clínicas, o estado irá disponibilizar, até o dia 10 de abril, 900 novos leitos de UTI para tratar pacientes infectados pelo coronavírus; destes, 200 leitos já estão prontos. Com a medida, São Paulo somará 2 mil leitos de UTI exclusivos para tratar a epidemia no estado.

Está paralisada também, por 90 dias, a pesagem nas rodovias estaduais e a suspensão até 31 de maio, em acordo com a Congás, da interrupção do fornecimento de gás pela empresa privada.

Serviços essenciais

Além das medidas anunciadas, Doria também ressaltou que todas as fábricas da capital paulista, região metropolitana e de todo estado devem continuar operando para evitar “um colapso na produção do país”.

“Se as fábricas pararem, teremos um colapso no abastecimento do país. Essa é a decisão do governo de São Paulo, as fabricas devem continuar operando. Sigam os protocolos para proteger seus funcionários, sejam pequenas, médias e grandes.”

A construção civil, setor de obras, borracharias e oficinas mecânicas também não devem paralisar os serviços. Para isso, Doria ressaltou que as empresas devem ampliar as medidas de segurança sanitária para proteger e amparar os funcionários.

Além disso, partir da quarta-feira (25), todos os meios de transporte municipais e intermunicipais serão gratuitos para policiais, bombeiros e demais profissionais de segurança pública até o dia 30 de julho.