Governadores estudam enviar PMs ao Ceará se Bolsonaro não renovar GLO

O governador do Estado, Camilo Santana (PT), pede a prorrogação da GLO por ao menos mais 30 dias. A operação que reforça a segurança pública no Ceará termina nesta sexta-feira (28)

  • Por Jovem Pan
  • 28/02/2020 13h33
Reprodução/TV Globo

Governadores de ao menos seis Estados estudam uma forma jurídica de enviar policiais militares de suas tropas para reforçar a segurança do Ceará, onde parte dos PMs está amotinada, caso o presidente Jair Bolsonaro não renove o decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) que vence nesta sexta-feira (28).

O decreto é o instrumento que permitiu o envio de homens do Exército para o patrulhamento de Fortaleza e outros municípios cearenses nos últimos oito dias.

O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), vinha requisitando que a GLO fosse prorrogada por ao menos mais 30 dias. Bolsonaro, entretanto, se mostrou hesitante em atender o pedido.

Em vídeo ao vivo transmitido em suas redes sociais nesta quinta, o presidente disse que não atenderia o governador petista. “A gente espera que o governo resolva o problema da Polícia Militar do Ceará e bote um ponto final nessa questão”, afirmou o presidente, que nesta sexta se reuniu com ministros para discutir o tema.

As discussões envolvem os governo de São Paulo, do Rio, do Piauí, do Maranhão, da Bahia e do Pará, mas os Estados ainda aguardam uma manifestação final da Presidência sobre a prorrogação antes de uma divulgação oficial. Ao menos na PM paulista, ainda há dúvidas sobre as formas legais de viabilizar essa cooperação.

Há outras negociações também em estudo, como a requisição de uma GLO feita pelo Congresso Nacional, que também está sendo analisada por aliados do governo cearense.

*Com informações do Estadão Conteúdo