Governo do Distrito Federal desmonta acampamento ‘300 do Brasil’

  • Por Jovem Pan
  • 13/06/2020 12h10 - Atualizado em 13/06/2020 12h21
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDOO grupo é chamado pelo Ministério Público de "milícia armada" e ficou conhecido por, no dia 31 de maio, marchar até o Supremo Tribunal Federal (STF)

O governo do Distrito Federal atendeu a um pedido do Ministério Público e desmanchou neste sábado (13) o acampamento do grupo 300 do Brasil, que estava na Esplanada dos Ministérios.

Agentes da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), do Corpo de Bombeiros e da Secretaria de Estado de Proteção da Ordem Urbanística (DF Legal) recolheram faixas, material de lona e estrutura metálica do acampamento. A PM usou gás de pimenta para dispersar um pequeno grupo que resistiu à ação.

A solicitação se deu dentro do contexto da pandemia de Covid-19 e do reconhecimento do estado de calamidade pública. Após a ação, o grupo protestou nas redes sociais. Sara Winter, uma das líderes do movimento, pediu para que o presidente da República, Jair Bolsonaro, reaja.

O grupo é chamado pelo Ministério Público de “milícia armada” e ficou conhecido por, no dia 31 de maio, marchar até o Supremo Tribunal Federal (STF) com tochas nas mãos e máscaras brancas — semelhante a atos feitos por supremacistas brancos nos EUA.

Bolsonaristas e promotores de Justiça travavam uma disputa judicial há mais de um mês pela manutenção ou remoção do acampamento. A Polícia Militar ainda vai divulgar uma nota com informações da operação. A Secretária de Segurança Pública do Distrito Federal afirmou que a ação se deu com base legal.

Ainda nesta manhã, os militantes governistas se dirigiram às proximidades do Congresso Nacional, onde encontraram um grupo que se manifestava em favor do impeachment do presidente e em homenagem a profissionais de saúde. Houve provocações, mas sem confrontos.

*Com Estadão Conteúdo