Governo utilizou 24% dos recursos destinados ao combate da Covid-19

Dados constam em boletim da comissão mista que acompanha as medidas de enfrentamento à pandemia

  • Por Jovem Pan
  • 19/05/2020 18h39 - Atualizado em 19/05/2020 19h00
EFE/ Fernando BizerraCompra de insumos e equipamentos para combater a Covid-19 está entre os gastos previstos pelas medidas provisórias aprovadas

A comissão mista que acompanha no Congresso as medidas de enfrentamento ao novo coronavírus no Brasil divulgou os resultados do primeiro boletim quinzenal nesta terça-feira (19). Dos R$ 258,5 bilhões em créditos extraordinários destinados pelo governo federal, só foram utilizados 24,9% até agora.

Segundo o relator da comissão, deputado Francisco Jr. (PSD-GO), há dificuldade na execução orçamentária dos recursos. “Apesar de termos disponibilizado altos valores; na prática, o que foi efetivamente pago até agora foram R$ 64 bilhões (24%). Então, existe toda uma morosidade, uma dificuldade em conseguir efetivamente, concretamente executar as ações necessárias para o combate à pandemia”, avaliou.

Criada pelo mesmo decreto legislativo que reconheceu o estado de calamidade pública, a comissão mista iniciou seus trabalhos ouvindo os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Cidadania, Onyx Lorenzoni; além do secretário do Tesouro, Mansueto de Almeida, e do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães.

Na fala de todos, a ênfase foi na necessidade de que, neste ano, o foco principal das ações do governo sejam as pessoas. Medidas de ajuste fiscal ficam momentaneamente interrompidas, mas com a defesa de que reformas estruturais serão necessárias para a retomada da economia no pós-pandemia. Para o ministro da Economia, Paulo Guedes, também não devem ser criadas despesas permanentes, que ultrapassem o cenário de emergência.

Múltiplas crises

O relator da comissão, deputado Francisco Jr., considera que o país passa neste momento por múltiplas crises; inclusive política, o que dificulta o diálogo entre os diferentes níveis de governo.

“Nós vivemos hoje várias crises simultâneas. A crise da saúde, uma crise da economia que deságua numa crise social. E todas elas apoiadas sobre uma crise política, porque interfere muito. Em muitas situações, a política toma uma dimensão maior e dificulta diálogo. Mas a questão política é complicada porque pessoas começam a trabalhar de forma ideológica”, observou.

O primeiro boletim quinzenal da comissão mista que acompanha no Congresso as ações de combate à pandemia de Covid-19 também lista as medidas adotadas até o momento nas áreas da saúde e da educação. O colegiado, segundo o relator, pretende colocar no ar, em breve, um portal com diferentes dados sobre o combate ao novo coronavírus.

* Com informações da Agência Câmara