Previsão é de chuva durante a posse; cerimônia receberá 11 chefes de Estado

  • Por Jovem Pan
  • 31/12/2018 13h39
Fábio Motta/Estadão Conteúdo140 nomes integram a lista de convidados para a posse de Jair Bolsonaro

Na terça-feira, 1° de janeiro, o presidente eleito Jair Bolsonaro será empossado por volta das 15h em Brasília. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia, há 40% de chance de chuva com trovoadas durante a cerimônia. O dia deve ser de céu encoberto na Esplanada dos Ministérios.

De acordo com o meteorologista do Inmet, Mamedes Luiz Melo, devem ocorrer chuvas rápidas com vento, típicas de verão. “Como a Esplanada tem pontos mais altos, para as pessoas não vai ter problema”, disse, sobre a possibilidade de queda de raios. “O próprio prédio do Senado puxa os raios”, explicou.

A temperatura deve ficar na casa dos 30 ºC no Distrito Federal, enquanto na Esplanada dos Ministérios, onde acontecerá a posse, os termômetros devem marcar 27 ºC.

Bolsonaro receberá chefes de Estado

No mesmo dia, o militar reformado já deverá receber os primeiros chefes de Estado como presidente da República. A informação foi divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores. O futuro ministro da pasta, entretanto, só deve participar das reuniões marcadas para a quarta-feira (2).

Um dos primeiros a se encontrar com Bolsonaro deve ser o Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo. Ao todo, 11 chefes de Estado, 11 chanceleres, 18 enviados especiais e três diretores de organismos internacionais estarão presentes. Entre os presidentes, confirmaram presença Ivan Duque, da Colômbia, Marin Vizcarra, do Peru, Mario Abdo Benitez, do Paraguai, Tabaré Vazquez, do Uruguai, Sebastian Piñera, do Chile, e o argentino Mauricio Macri.

Além destes, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, também comparecerá, assim como o vice-presidente do parlamento chinês, Ji Bingxuan, e o chanceler argentino, Jorge Faurie.

A lista de convidados da cerimonia tem 140 nomes. Algumas delegações de representantes de outros países não foram divulgadas por razões de segurança.

*com informações da Agência Brasil