Homem faz reféns em estabelecimento comercial no centro do Rio

  • Por Jovem Pan
  • 29/11/2019 16h32 - Atualizado em 29/11/2019 20h51
Twitter / Reprodução Homem faz reféns em estabelecimento comercial no Centro do Rio

A Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro e o Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) atuam em uma ocorrência com reféns em um bar no centro do Rio, nesta sexta-feira (29). Até as 20h30min, duas pessoas ainda estavam sob controle do criminoso. Antes havia sete, mas cinco delas foram libertadas.

Agentes do BOPE e da PM interditaram a Rua do Resende, localizada no centro da capital fluminense, e negociam a libertação. Segundo informações da Polícia Militar, um homem estaria armado com uma faca, uma garrafa com combustível e “possivelmente” uma arma de fogo.

De acordo com a TV Globo, o homem é conhecido na região como Danilo da Caipirinha e mora em cima do bar. Ele também seria vendedor de bebidas na região do Centro. Até agora não há informações sobre feridos.

A ocorrência está em andamento, e o 5º Batalhão da PM realizada um cerco no local. O Centro de Operações Rio informou, por meio do Twitter, que a via está totalmente interditada na altura da Mem da Sá.

A Guarda Municipal do Rio e o CET-Rio também estão no local monitorando o trânsito. O centro de Operações recomenda que a região da Lapa seja evitada. O porta-voz da Polícia Militar, coronel Mauro Fliess, afirma que o homem está armado com um facão e, possivelmente, uma arma de fogo.

Três funcionários da EBC

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) confirmou no fim da tarde que três das pessoas mantidas reféns são funcionárias da empresa, cuja sede fica próxima ao bar. Uma delas já foi libertada.

Em nota, a EBC informou que “na tarde desta sexta-feira (29), um homem invadiu um estabelecimento comercial localizado na Lapa, no Rio de Janeiro, onde manteve reféns. Três deles são empregados da EBC, sendo um já libertado pelos órgãos de polícia que atuam no local”.

O comunicado diz ainda que “a direção da empresa e os gestores da Regional Rio de Janeiro estão monitorando a situação de perto e prestando todo o apoio necessário, inclusive jurídico, aos empregados e seus familiares”.

*Com informações do Estadão Conteúdo