Idosa morre após ser atingida por árvore durante temporal no litoral paulista

Ventos de 82 km/h, com rajadas de até 150 km/h, arrancaram pelo menos 31 árvores

  • Por Jovem Pan
  • 29/04/2019 11h53
Reprodução/GloboNo Guarujá e em Cubatão, árvores também foram arrancadas e os bombeiros foram acionados

Uma idosa morreu atingida por uma árvore, em São Vicente, na região metropolitana da Baixada Santista, durante as chuvas acompanhadas de ventania, na tarde deste domingo (28).

Um ambulante, de 72 anos, que estava no mesmo local, foi encaminhado para o Hospital Municipal de São Vicente. O paciente, que teve fratura nas costelas, segue internado, com quadro de saúde estável, segundo a prefeitura.

Segundo a Defesa Civil, o acumulado pluviométrico das últimas 72 horas foi de 10 mm, no município. O total de chuvas do mês de abril foi de 278,6 mm.

Em Santos, um homem de 35 anos também foi atingido pela queda de uma árvore, resgatado pelo SAMU e encaminhado à Santa Casa em situação estável.

De acordo com a prefeitura, ventos de 82 km/h, com rajadas de até 150 km/h, arrancaram pelo menos 31 árvores. O trânsito ficou interditado também pela falta de energia elétrica, com semáforos apagados e intermitentes. Segundo a Defesa Civil, até as 5h30 desta segunda-feira (29) foram registradas 69 ocorrências, incluindo destelhamentos e deslizamentos de terra.

No Guarujá e em Cubatão, árvores também foram arrancadas e os bombeiros foram acionados. O fornecimento de energia elétrica ficou interrompido em Santos, São Vicente, Praia Grande Itanhaém, Peruíbe, Guarujá e Bertioga.

Piratininga

A CPFL Energia Piratininga informou que todas as equipes técnicas entraram em campo para restabelecer o fornecimento de energia. A previsão é de retomada do serviço para 100% dos consumidores até a tarde desta segunda-feira (29).

A distribuidora de energia Elektro disse que o temporal prejudicou o fornecimento para parte dos municípios de Itanhaém, Peruíbe, Guarujá, Bertioga, Ilhabela e Ubatuba.

“A Elektro mobilizou imediatamente as equipes que atuam para atender o mais rapidamente as cargas essenciais, que são de hospitais, unidades básicas de saúde, clientes com UTI domiciliar. O trabalho prioriza a retirada de árvores de grande porte, de objetos que caíram sobre a rede elétrica e a reconstrução da mesma.”

*Com Agência Brasil