Inadimplência subiu 4,4%; maior parte dos negativados tem entre 30 e 39 anos

  • Por Jovem Pan
  • 15/01/2019 15h27 - Atualizado em 15/01/2019 15h38
PixabayCerca de 62,6 milhões de brasileiros estão inadimplentes

De acordo com o indicador de inadimplência do SPC, Serviço de Proteção ao Crédito, e a CNDL, Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas, o número de pessoas com contas em atraso subiu 4,4% na comparação entre 2018 e 2017. Está é a maior alta desde 2012, quando foi de 6,8%.

O indicador sugere que cerca de 41% da população adulta brasileira encerrou 2018 com restrições do CPF ao crédito ou ao parcelamento em decorrência de atraso em pagamentos. Isso equivale a 62,6 milhões de pessoas.

Para pessoas físicas, a alta foi de 2,75%. No ano anterior, o indicador apresentou queda de 2,70%. Segundo as revelações do estudo, a média de pendências é de duas para cada CPF.

Entre as principais contas em atraso, despontam na liderança as de luz e água, cuja inadimplência cresceu 14,88%. As dívidas com bancos cresceram 6,81%, em especial as de cartões de crédito e cheque especial, assim como empréstimos e financiamentos. Apesar de tudo, alguns setores apresentaram queda na inadimplência. É o caso das contas de telefone, que tiveram queda de inadimplentes de 5,09%.

Apenas a região Centro-Oeste apresentou queda na inadimplência (1,79%). A região que teve maior aumento foi a Sudeste, com 8,44%. A maior parte das pessoas negativadas tem entre 30 e 39 anos, somando 52% do total, o equivalente a 17,8 milhões. Os mais jovens, na faixa etária entre 18 e 24, são cerca de 17%. Os idosos, dos 65 aos 84 anos, são 32%.

*com informações da Agência Brasil