Cacique é morto a facadas e garimpeiros invadem aldeia no AP; MPF e Funai apuram

  • Por Jovem Pan
  • 28/07/2019 11h52
Rede Amazônica/Reprodução Grupo de garimpeiros invadiu aldeia indígena no AP; polícia federal e Bope estão no local

Um líder indígena da aldeia Mariry, da etnia Wajãpi, no Amapá, foi morto a facadas no início da semana. Segundo lideranças da aldeia e funcionários da Secretaria Estadual dos Povos Indígenas, o cacique Emyra Wajãpi foi atacado enquanto voltava da casa da filha e o corpo foi encontrado dentro de um rio. Eles ainda afirmam que houve uma invasão de um grupo de cerca de 50 garimpeiros na aldeia desde a sexta-feira (26).

De acordo com a secretaria, o grupo está armado e há risco de conflitos. Em nota, a Funai informou no sábado (27) que apura a “suposta invasão à Terra Indígena Waiãpi” e acionou o governo federal para acompanhar o caso. A entidade disse que não há registros de conflitos até o momento, “apesar de ter sido confirmado um óbito”. A Polícia Federal, assim como Batalhão de Operações Especiais (Bope), já estão na aldeia. (Leia abaixo a íntegra da nota emitida pela Funai).

O Ministério Público do Amapá (MPF-AP) instaurou inquérito para investigar a morte do indígena. Por meio de nota, o órgão afirmou que acompanha o caso “a fim de assegurar os direitos dos indígenas.”

O vereador Jawaruwa Wajãpi (Rede), do município de Pedra Branca do Amapari, a 189 km da capital Macapá, afirmou que está na aldeia e pediu apoio ao senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). “Estamos pedindo socorro, estamos pedindo seu apoio para ver se libera as Forças Armadas ou qualquer ajuda. Uma comunidade Wajãpi está em risco de morte”, disse. “Estamos aguardando, porque sem a resposta será tarde demais”, afirmou.

Ao jornal, o assessor técnico da Secretaria dos Povos Indígenas do Governo, Makreito Wajãpi, confirmou as informações. “Estamos precisando urgente da entrada dos policiais federais, junto com a Funai, queremos que isso seja resolvido o mais rápido possível”, disse. Ele relatou que episódio como este “nunca tinha acontecido antes”. “É a primeira vez que aconteceu isso na nossa vida. Ficamos muito preocupados e tristes, porque temos família, crianças, e nossa preocupação é isso.”

De acordo com o senador Randolfe Rodrigues, lideranças indígenas afirmam que, se não houver providência por parte das autoridades, os Wajãpi vão “estar em guerra, entrar em conflito” com os garimpeiros.

Leia na íntegra a nota da Funai:

Sobre a suposta invasão à Terra Indígena Waiãpi, no Amapá, a Fundação Nacional do Índio informa que assim que tomou conhecimento do fato neste sábado (27) acionou as autoridades competentes e seus servidores no local. A Polícia Federal, assim como o BOPE, estão a caminho para apurar o ocorrido.

Por ora não há registros de conflito, apesar de ter sido confirmado um óbito, mas não há detalhes das circunstâncias. O local é de difícil acesso. Mesmo assim, a equipe da Funai e da PF permanecerão no local para garantir a integridade dos indígenas e apuração dos fatos.

*Com Estadão Conteúdo