Diretor do Inpe rebate fala de Bolsonaro sobre Amazônia: ‘Ele precisa entender que não está num botequim’

  • Por Jovem Pan
  • 20/07/2019 13h35
Divulgação/Academia Brasileira de CiênciasGalvão dirige o instituto desde setembro de 2016

O diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Ricardo Magnus Osório Galvão, rebateu as acusações feitas pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) nesta sexta-feira (19). Em entrevista, ele ressaltou a credibilidade internacional do instituto, e desafiou o presidente a repetir as falas “cara a cara”, além de enfatizar que Bolsonaro precisa entender que não pode falar em público “como se estivesse em um botequim”.

“A primeira coisa que eu posso dizer é que o sr. Jair Bolsonaro precisa entender que um presidente da República não pode falar em público, principalmente em uma entrevista coletiva para a imprensa, como se estivesse em uma conversa de botequim. Ele fez comentários impróprios e sem nenhum embasamento e fez ataques inaceitáveis não somente a mim, mas a pessoas que trabalham pela ciência desse País”, declarou.

Galvão ressaltou que o Inpe foi o terceiro país do mundo a receber imagens de satélite para monitoramento de desmatamento, ao lado de nações desenvolvidas como Estados Unidos e Canadá, e disse que todos os dados oferecidos pelo Inpe estão em publicações internacionais e podem ser verificados na internet.

“O presidente não tem noção da respeitabilidade que os dados do Inpe e que os pesquisadores do Inpe têm. É uma ofensa o que ele fez. Eu espero que ele me chame a Brasília para eu explicar o dado e que ele tenha coragem de repetir, olhando frente a frente, nos meus olhos. Eu sou um senhor de 71 anos, membro da Academia Brasileira de Ciências, não vou aceitar uma ofensa desse tipo. Ele que tenha coragem de, frente a frente, justificar o que ele está fazendo”, desafiou o diretor.

Ele ressaltou, ainda, que se a atitude de Bolsonaro foi feita na esperança de que ele pedisse demissão, “como aconteceu com Joaquim Levy [que pediu demissão do BNDES após também ser criticado em público por Bolsonaro]”, o presidente  se enganou. “Tomou uma atitude pusilânime, covarde, de fazer uma declaração em público talvez esperando que peça demissão, mas eu não vou fazer isso”, afirmou.

Entenda

Durante um café da manhã com jornalistas estrangeiros na manhã de ontem (19), Bolsonaro questionou os dados fornecidos pelo Inpe sobre as taxas de desmatamento da Amazônia e disse que eles são mentirosos. “Se toda essa devastação de que vocês nos acusam de estar fazendo e ter feito no passado, a Amazônia já teria sido extinta, seria um grande deserto”, disse, pouco antes de acrescentar que o instituto estaria agindo “a serviço de alguma ONG”.

“A questão do Inpe, eu tenho a convicção que os dados são mentirosos”, afirmou. “Até mandei ver quem é o cara que está a frente do Inpe para vir se explicar aqui em Brasília, explicar esses dados aí que passaram na imprensa”, disse. “No nosso sentimento, isso não condiz com a realidade. Até parece que ele está a serviço de alguma ONG, que é muito comum”, falou Bolsonaro.

*Com Estadão Conteúdo