Instituto Butantan diz que pode ter vacina contra Covid-19 registrada até outubro

Segundo o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, no mesmo mês também será possível iniciar a ‘análise intermediária com demonstração de eficácia’ do imunizante; ele falou durante audiência pública virtual

  • Por Jovem Pan
  • 06/08/2020 16h40 - Atualizado em 06/08/2020 16h43
Foto: Governo do Estado de São PauloDimas Covas, diretor do Instituto Butantan, e o governador de SP, João Doria, ao lado

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou nesta quinta-feira (6) que é possível obter o registro de uma vacina contra a Covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus, até outubro deste ano. Segundo ele, até outubro também será possível iniciar a “análise intermediária com demonstração de eficácia. É muito provável que a demonstração de eficácia ocorra antes do final desse ano. A partir de outubro recebemos o book de vacinas da China e isso acontecendo a vacina já pode ser registrada e a vacina já estará sendo preparada aqui no Butantan”.

O Butantan firmou parceira com a farmacêutica chinesa Sinovac em junho e, com isso, participa da produção e dos testes avançados da vacina CoronaVac. Covas falou durante audiência pública virtual da Câmara dos Deputados para debater o desenvolvimento do imunizante nesta quinta-feira (6). Segundo ele, a farmacêutica chinesa deve enviar ao Brasil 15 milhões de unidades da vacina “já preparadas, em seringas” e o Instituto Butantan produzirá “15 milhões de frascos multidoses, com 10 doses casa”. A vacina já passa por testes em mais de 9 mil voluntários em 12 centros distribuídos em seis estados. O fornecimento da vacina será gratuito à população por meio do SUS.

Participaram da audiência pública, além de Dimas Covas, o gerente-geral de Medicamentos e Produtos Biológicos da Anvisa, Gustavo Mendes Lima Santos; o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Correia de Medeiros; a diretora de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde, Camile Giaretta Sachetti; e o secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Jean Carlo Gorinchteyn.