Casos de intoxicação por produtos de limpeza crescem 23,3%, alerta Anvisa

  • Por Jovem Pan
  • 18/05/2020 09h20 - Atualizado em 18/05/2020 09h30
EFE/ Antonio LacerdaEntre às crianças, foram registrados 1.940 casos, um aumento de 6,01% e de 2,7%, em relação a 2019 e 2018, respectivamente

Para reduzir os riscos à saúde causados pelo aumento da exposição tóxica por produtos de limpeza no país, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou a Nota Técnica (NT) 11/2020, que alerta a população sobre o crescimento de 23,3% dos casos de intoxicação.

O documento traz orientação sobre o uso e o armazenamento adequados dos produtos de uso domiciliar e indica, entre outras coisas, evitar a mistura de produtos químicos; garantir a ventilação quando for usar as substâncias; inutilizar as embalagens vazias; seguir as instruções descritas nos rótulos e manter os produtos fora do alcance de crianças e animais.

Segundo o órgão, embora não haja informações que confirmem o vínculo o aumento dos casos os esforços de desinfecção para evitar a disseminação da Covid-19, parece haver uma associação temporal com o aumento do uso dos produtos.

A nota foi elaborada com base nos dados dos Centros de Informação e Assistência Toxicológica (CIATox). “Para se ter uma ideia do crescimento dos casos de intoxicação, de janeiro a abril deste ano os CIATox receberam 1.540 registros de intoxicação devido a produtos de limpeza envolvendo adultos, um aumento equivalente a 23,3%, comparado ao mesmo período de 2019, e de 33,68%, com relação a 2018”, informa a Anvisa.

Entre às crianças, foram registrados 1.940 casos, um aumento de 6,01% e de 2,7%, em relação a 2019 e 2018, respectivamente. Segundo a Agência, acidentes domésticos envolvendo exposição tóxica a substâncias químicas são mais frequentes com o público infantil e, portanto, há necessidade de dispensar mais cuidados às crianças.

A Anvisa recomenda ainda que, em caso de emergências toxicológicas, não provoque vômito e busque informações do Centro de Informação e Assistência Toxicológica, o CIATox, pelo telefone 0800-722-6001.

*Com informações da Agência Brasil