Jacques Wagner rechaça acusação feita por Cerveró em delação

  • Por Estadão Conteúdo
  • 03/05/2016 21h02
Brasília - O ministro da Defesa, Jacques Wagner, participa de audiência pública na Comissão de Relações Exteriores, para falar sobre o decreto sobre militares e Jogos Olímpico (José Cruz/Agência Brasil)Jaques Wagner

O ministro-chefe do gabinete pessoal da Presidência, Jaques Wagner, divulgou nota rechaçando a inclusão de seu nome na delação premiada do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró.

Nela, Cerveró afirma que o então presidente da estatal José Sérgio Gabrielli abasteceu com dinheiro de propina da empresa petrolífera, a campanha do petista baiano para governador da Bahia, em 2006.

Em nota, a assessoria de imprensa do ministro disse que “ele está tranquilo e não acredita na aceitação definitiva do seu nome no processo”.

A nota explica que “sem conhecer o conteúdo e as razões que levaram a inclusão do seu nome nas investigações, o ministro Jaques Wagner, do gabinete pessoal da presidência, não poderá se posicionar sobre elas”. Segundo a assessoria do ministro, ele informou que “está à disposição das autoridades e vai aguardar o resultado definitivo das investigações”. Acrescentou também que “está seguro sobre suas atividades sempre motivadas pelo interesse público”.