Joesley e Saud citam três ministros do STF; veja os contextos

  • Por Jovem Pan
  • 05/09/2017 14h59 - Atualizado em 05/09/2017 15h04
Joesley Batista após prestar depoimento à STF

Na conversa entre Joesley Batista e Ricardo Saud, da JBS, revelada em áudios divulgados pela revista Veja nesta terça-feira (05), são citados três ministros do Supremo Tribunal Federal: Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Cármen Lúcia.

As citações no diálogo, em que os interlocutores parecem embriagados, não permitem inferir qualquer tipo de irregularidade de imediato.

Joesley e Saud citam o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo. Eles teriam tentado gravar Cardozo para ver se o então ministro de Dilma “entregava” algum ministro do STF. A revista diz ainda que há uma referência a “Marco Aurélio”, mas o blog do Maquiavel diz que “é possível concluir que não se trata do ministro Marco Aurélio Mello”.

“Vai deixar pra cumprir depois” [parece falar sobre as condições impostas pelo acordo de colaboração], afirma Saud. Joesley responde: “Não, tem que ser um tchau e não voltar aqui mais nunca. Não tem negócio de vir depois. Nós vamos fazer um serviço tão bem feito que não vai precisar chamar nós (sic). Está tudo gravado aí.” Saud afirma: “Essa parte o Marcelo tá….(inaudível). Joesley diz: “Vamos ver, vamos devagar”. Saud afirma: “A não ser que o Zé entregue o Supremo inteiro”. Joesley completa: “O Zé vai entregar. B é isso, o C é isso. Por onde a gente chega, bota tudo na conta do Zé.”

Confira os contextos de cada citação, segundo a revista:

Lewandowski

Em um determinado momento, Ricardo Saud diz que “o cara” falou que tem cinco ministros do STF nas mãos, mas não fica claro a quem ele estava se referindo – aparentemente, também é ao ex-ministro Cardozo. “O cara falou que tem cinco, cinco ministros do Supremo na mão dele.  Inclusive muitos conversado e outros não, é só palavreado, não escrito, tal”, diz. Ele falou “cinco ele não tem não… ele tem… ah, só se eles, só se eles contam Lewandowski até hoje”. Ele falou, falei ah, daí eu não sei, não deu nome não… Mas se contar Lewandowski, pode ser sim…”, disse.

Cármen Lúcia

Ainda no contexto das falas sobre Cardozo, Saud diz que Cármen Lúcia tem bastante proximidade com Dilma. “Porque ele falou da Cármen Lúcia, (parte inaudível) da Carmen Lúcia que vai lá falar do (parte inaudível) com a Dilma e tal, os três juntos [Dilma Lewandowski e Cármen Lúcia], tal tal, tal. “Ah, então ele [Lewandowski] tem mesmo essa intimidade? (parte inaudível)”.

Gilmar Mendes

“Então vamos esquecer aquele trem da briga do Gilmar. E vamos nesses três ministros do Supremo”, diz. Joesley diz:  Como? Esquecer a briga?”. Saud completa: “O trem do Gilmar que virou briga lá entre ele e a (parte inaudível). Vamos esquecer isso e vamos pegar os três, eu falei.”