Jorge Picciani se entrega na sede da PF no Rio de Janeiro

  • Por Jovem Pan
  • 16/11/2017 17h21 - Atualizado em 16/11/2017 18h41
Reprodução/Globo NewsPresidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB) chegou à sede da PF em carro particular

Poucas horas após ter o mandado de prisão preventiva expedido pela Justiça, nesta quinta-feira (16), às 16h45, o presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB) se entregou na sede da Polícia Federal no Rio de Janeiro. Picciani e os deputados do PMDB, Paulo Melo e Edson Albertassi, são acusados de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Os peemedebistas são investigados na Operação Cadeia Velha, braço da Lava Jato no Rio, e teriam se utilizado de cargos na Alerj para favorecer agentes públicos e empresários do setor de transportes em troca de propinas.

Por unanimidade, os desembargadores do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), acataram a denúncia do Ministério Público Federal e, além do pedido de prisão, determinaram o afastamento dos parlamentares da atividade legislativa. No entanto, a decisão ainda será votada em Plenário.

Logo após a apresentação de Picciani, o ex-presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) Paulo Melo (PMDB) também se entregou à Polícia Federal às 17h. O deputado estava com uma mochila e acompanhado de advogados e não quis falar com a imprensa.

Albertassi chegou pouco depois

O deputado Edson Albertassi (PMDB) chegou às 17h55 à sede da Polícia Federal (PF), na zona portuária do Rio. Ele carregava uma mala. O parlamentar foi o terceiro deputado da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) a se entregar, depois que o Tribunal Regional Federal (TRF-2) determinou sua prisão. A decisão também será avaliada pelos deputados da Alerj, que poderão manter ou libertar os acusados.