Justiça determina afastamento de presidente do Conselho da J&F

  • Por Estadão Conteúdo
  • 31/03/2017 21h20
Brasil, São Paulo, SP. 28/11/2012. Joesley Batista, presidente da J&F, grupo que controla o frigorífico JBS, posa para fotografia na sede da empresa em São Paulo. - Crédito:JONNE RORIZ/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Código imagem:135821Joesley Batista - AE

A 10ª Vara Federal de Brasília determinou o afastamento do empresário e proprietário da Holding J&F Participações S.A., Joesley Batista, da presidência do Conselho de Administração da companhia. A decisão do juiz Vallisney de Souza Oliveira também afasta Batista da presidência do conselho da Eldorado Brasil Celulose S.A. e determinou o bloqueio de todas as ações da J&F na Eldorado, por meio de comunicação oficial à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e à própria holding.

O despacho do juiz Vallisney de Souza Oliveira atendeu a maioria dos pedidos da Procuradoria-Geral no Distrito Federal. As investigações estão relacionadas à Operação Greenfield, que apura fraudes e desvio de recursos em negócios de fundos de pensão com grandes grupos empresariais.

A decisão de Vallisney também determina que a J&F escolha, no prazo de 30 dias, um novo presidente para o conselho de administração.

Outra determinação da Justiça Federal do DF é a intimação da defesa de José Carlos Grubisich Filho para que, no prazo de 5 dias, se manifeste em defesa dos pedidos feitos pelo Ministério Público Federal pelo afastamento dele do cargo de diretor-presidente da Eldorado Celulose e para que seja escolhido um novo Diretor-Presidente para a referida companhia, de acordo com a legislação societária.

Além disso, a decisão judicial proíbe que Joesley Batista se comunique com 94 investigados nas operações Greenfield, Sepsis e Cui Bono.

Entre os nomes citados estão o ex-ministro e ex-deputado federal Henrique Eduardo Alves, o ex-ministro e ex-deputado federal Geddel Vieira Lima, o deputado cassado Eduardo Cunha, o corretor Lúcio Funaro, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari, o ex-vice-presidente da Caixa Flavio Cleto, o ex-presidente da OAS Leo Pinheiro.

A decisão também obriga que Joesley Batista comunique toda e qualquer viagem ao exterior, com antecedência mínima de 3 dias úteis, fornecendo dados do voo, plano de voo e data de ida e de retorno. O MPF havia pedido a retenção do passaporte do executivo.

Posicionamento das empresas

Em nota, a J&F afirma que Batista irá cumprir as medidas cautelares deferidas pelo juiz. A empresa ainda “reforça que tem o maior interesse no esclarecimento dos fatos e está, como sempre esteve, à disposição das autoridades”. O empresário afirma que usará todas as medidas cabíveis para exercer o seu direito de defesa.

A Eldorado afirma que vai cumprir o prazo para eleger um novo presidente do conselho de administração. Outra determinação da Justiça Federal do DF é a intimação da defesa de José Carlos Grubisich Filho para que, no prazo de 5 dias, se manifeste em defesa dos pedidos feitos pelo Ministério Público Federal pelo afastamento dele do cargo de diretor-presidente da Eldorado e para que seja escolhido um novo nome para o cargo, de acordo com a legislação societária.

Em nota, Grubisich diz que irá utilizar o prazo concedido pelo juiz para recorrer contra seu possível afastamento da presidência da Eldorado.