Latam vai manter redução de 95% das operações de passageiros em maio

  • Por Jovem Pan
  • 17/04/2020 15h56 - Atualizado em 17/04/2020 15h57
DivulgaçãoA Latam Cargo -- que transporta cargas -- aumentou sua capacidade em 40% entre a América do Sul e a Europa e em 15% da América do Sul para Miami

Devido às restrições de viagens e a queda na demanda por causa da pandemia de coronavírus, o Grupo Latam Airlines e suas subsidiárias anunciaram nesta sexta-feira (17) que irão manter a redução de suas operações de passageiros em 95% durante o mês de maio.

“Um mês e meio desde que diversos atores da indústria nos alertaram para a maior crise que o setor sofreu, hoje podemos observar que os impactos são mais profundos e que serão mais duradouros do que o inicialmente previsto”, disse o CEO do Grupo Latam Airlines, Roberto Alvo. “Diante desse cenário adverso, é inevitável que o Grupo e suas subsidiárias redimensionem seu tamanho e a forma como operam”, afirmou.

Com relação às rotas domésticas, a Latam informa que no Brasil e no Chile as operações continuarão reduzidas durante o próximo mês, com o objetivo de manter uma conectividade mínima nesses países. “Na medida em que as permissões de operação existam e que se justifique a demanda, o Grupo Latam Airlines e suas subsidiárias avaliarão o reinício de voos nos países onde estão presentes”, alega a empresa, em nota.

Nas rotas internacionais, durante o mês de maio, o Grupo Latam Airlines e a Latam Airlines Brasil esperam operar seis frequências semanais entre Santiago e Miami e três frequências entre São Paulo e Miami, respectivamente.

Cargas

A Latam Cargo aumentou sua capacidade em 40% entre a América do Sul e a Europa e em 15% da América do Sul para Miami. O segmento não foi prejudicado pelas restrições de mobilidade.

A empresa lançou ainda novas rotas de carga de Santiago para a Cidade do México e Los Angeles e está utilizando aviões de passageiros para operar dezenas de voos exclusivamente de cargas pelas Américas — e brevemente para a China para transportar insumos médicos para a América do Sul.

* Com informações do Estadão Conteúdo