Lava Jato abriu inquérito civil para apurar conduta de bancos, diz procurador

  • Por Estadão Conteúdo
  • 26/10/2016 14h31
CURITIBA, PR, 04.03.2016: OPERAÇÃO-LAVA JATO - Carlos Fernando dos Santos Lima - Coletiva de imprensa na Polícia Federal de Curitiba-PR, sobre a 24ª fase da Lava Jato denominada Aletheia, deflagrada na manhã desta sexta-feira (4) pela Polícia Federal, que tem como alvo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Participam da coletiva o Superintendente da Polícia Federal no Paraná Rosalvo Ferreira Franco, delegado da Operação Lava Jato Igor Romário de Paula e O auditor da Receita Federal Roberto Leonel de Oliveira Lima. (Foto: Heuler Andrey/DiaEsportivo/Folhapress)Carlos Fernando dos Santos Lima

O procurador do Ministério Público Federal (MPF) Carlos Fernando dos Santos Lima, um dos principais investigadores da operação Lava Jato, disse nesta quarta-feira (26) que a força-tarefa abriu nesta semana inquérito civil para analisar a conduta de bancos no esquema de lavagem de dinheiro. De acordo com ele, que foi designado responsável pelo inquérito, o objetivo é identificar falhas de compliance dos bancos para depois, caso confirmadas as falhas, estabelecer acordos com as instituições para o ressarcimento de perdas à União, e, principalmente, antecipar correções de falhas. 

“Como investigador da operação, eu também estou capacitado a punir”, disse o procurador, que participou do 9º Congresso Anual da Associação Brasileira de Direito e Economia (ABDE), que se realiza entre esta quarta até sexta-feira na sede do Insper em São Paulo.

Santos Lima fez essa afirmação ao ser perguntado por um funcionário do Banco Central sobre o quanto o sistema financeiro teria sido conivente no esquema de lavagem de dinheiro. O procurador disse que lavagem de dinheiro é o subproduto da corrupção e para que os desvios tenham êxito, de certa forma, sempre há conivência de empresas do setor financeiro. 

Ele afirmou que desde o início da operação Lava Jato foram identificadas inúmeras corretoras no esquema. O procurador comentou também que não sabe se poderá divulgar os nomes dos bancos envolvidos, por não saber ainda o quanto das informações apuradas estarão sob sigilo bancário. 

Santos Lima disse que espera poder contar com a colaboração do Banco Central, que foi bastante solícito no caso do Banestado. De acordo com ele, seria importante a contribuição da autoridade monetária, porque muitos dos recursos que entraram e saíram do País, decorreram de operações com contratos de câmbio, o que fez com que vultosos recursos fossem enviados para fora do País e internalizados.