Lava Jato da Educação: Vélez quer investigar corrupção e desvios no MEC

  • Por Jovem Pan
  • 14/02/2019 20h02 - Atualizado em 15/02/2019 18h04
Luís Fortes/MECMinistro da Educação assinou protocolo de intenções com Sérgio Moro, titular da pasta da Justiça

Uma Operação “Lava Jato da Educação” pode ter início com indícios de corrupção e desvios de dinheiro público descobertos em investigação interna sobre atos de gestões anteriores no Ministério da Educação, afirmou nesta quinta-feira (14) o titular da pasta, Ricardo Vélez Rodríguez. Ele assumiu o cargo em janeiro, nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro.

A declaração foi feita durante a assinatura de protocolo de intenções com outros órgãos de governo que vão apurar esses supostos desvios. O evento teve presença dos ministros Sérgio Moro (Justiça), Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União) e André Mendonça (Advocacia-Geral da União), além do diretor geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo.

Segundo o Ministério da Educação, Vélez apresentou exemplos “emblemáticos” de favorecimentos indevidos e desvios nos programas Universidade Para Todos (Prouni) e Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) – este envolvendo o Sistema S -, concessão ilegal de bolsas de ensino a distância e irregularidades em faculdades federais.

O pente-fino em gestões anteriores é prioridade do ministro nos primeiros 100 dias de gestão. A pasta pretende enviar documentos para ministérios poderem “aprofundar investigações, instaurar inquéritos e propor medidas judiciais” cabíveis.

“Queremos apurar desvios praticados por pessoas que usaram o MEC e as autarquias como instrumentos para desvios”, afirmou Vélez. Segundo a pasta, os demais ministros elogiaram a iniciativa e se colocaram à disposição.

*Com informações do Estadão Conteúdo