Lava Jato: defesa de presidente da Odebrecht pede dieta na prisão

  • Por Agência Brasil
  • 19/06/2015 15h43
A general view of the headquarters of Odebrecht, a large private Brazilian construction firm, in Sao Paulo in this November 14, 2014 file photo. Brazilian police on June 19, 2015, arrested Marcelo Odebrecht, the head of Latin America's largest engineering and construction company Odebrecht SA, local media said, pulling the most high-profile executive into the corruption investigation at state-run oil firm Petrobras. Federal officers had orders to arrest a total of 12 people in four states and bring them to the southern city of Curitiba where the investigation is based, according to a federal police statement that did not give the names of the detained. REUTERS/Paulo Whitaker/FilesOdebrecht

A defesa do presidente da construtora Odebrecht, Marcelo Odebrecht, pediu hoje (19) à Polícia Federal (PF) a entrega de uma dieta equilibrada na carceragem da PF. O executivo foi preso hoje, em São Paulo, durante a 14ª fase da Operação Lava Jato, e será transferido para a Superintendência da PF em Curitiba.

De acordo com a defesa, Marcelo é portador de hipoglicemia e não pode ficar longos períodos sem alimentação. A informação consta em um ofício enviado aos delegados e ao juiz federal
Sérgio Moro, que determinou a prisão do executivo.

“Por todo o exposto, serve a presente para informar à Vossa Excelência [juiz] que tão logo esteja na custódia da Superintendência da Polícia Federal de Curitiba/PR, o peticionante receberá de seus advogados a alimentação adequada diante de seu quadro de saúde”, informou a defesa.

As investigações que resultaram na 14ª fase da Operação Lava Jato revelam que as empreiteiras Odebrecht e Andrade Gutierrez lideravam o cartel de empreiteiras que superfaturavam contratos da Petrobras. Os presidentes das duas construtoras Marcelo Odebrecht e Otávio Marques Azevedo foram presos.

De acordo com a Polícia Federal e o Ministério Público Federal, as duas empreiteiras, no entanto, diferentemente das demais investigadas, usavam um esquema “mais sofisticado” de pagamento de propina a agentes públicos e políticos por meio de contas no exterior, o que exigiu maior aprofundamento das investigações, antes do pedido de prisão dos diretores das empresas.