Lava Jato: PF inocenta ex-ministra Ideli Salvatti de corrupção; relatório é enviado a Moro

  • Por Jovem Pan
  • 30/10/2018 13h51
Elza Fiuza/ABrTal inquérito foi aberto a partir da delação de Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro

O delegado da Polícia Federal Ivan Ziolkowski apontou na última quarta-feira (24) a falta de indícios de corrupção passiva da ex-ministra e ex-senadora petista Ideli Salvatti em inquérito da Operação Lava Jato.

Tal inquérito foi aberto a partir da delação de Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro. Como ela não tinha mais foro privilegiado, o inquérito foi encaminhado à Justiça Federal do Paraná pelo Supremo.

Em delação, Sérgio Machado afirmou ter ajudado no repasse de dinheiro para as campanhas de Ideli Salvatti. O dinheiro, segundo ele, é originário de vantagens ilícitas obtidas por empresas que tinham contratos com a Transpetro. Os repasses à campanha da petista foram feitos, segundo delação, por meio de doações oficiais.

Entretanto, a PF conclui, através de investigação, que apesar de Ideli Salvatti ter recebido doação oficial de campanha da Camargo Corrêa, intermediada por Sérgio Machado, não foi comprovada contrapartida que caracterizasse crime.

A PF conclui ainda que a política não tinha ciência de que a doação era decorrente de supostas ilicitudes obtidas pela empreiteira. Há a consideração ainda de que Machado admitiu não ter havido contrapartida e que a intenção era apenas agradar a petista.

O relatório da PF está com Sérgio Moro, juiz federal e responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, que deve encaminhá-lo para o Ministério Público Federal.