“Lavada” continua fora dos gramados: confira sete grandes escândalos políticos

  • Por Marina Ogawa/Jovem Pan
  • 06/07/2015 22h09
RIO DE JANEIRO, RJ - 14.11.2014: OPERAÇÃO LAVA JATO - Chegada de agentes com documentos apreendidos na Superintedência da PF no Rio de Janeiro - A Polícia Federal cumpre nesta sexta-feira (14) mandados de prisão e de busca e apreensão durante Operação Lava Jato. As buscas são concentradas em 11 grandes empreiteiras. Os grupos investigados registraram, segundo dados do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), operações financeiras atípicas num montante que supera R$ 10 bilhões. (Foto: Erbs Jr./Frame/Folhapress)Polícia Federal cumpre mandados de prisão e de busca e apreensão durante Operação Lava Jato

Há um ano, o Brasil levava sete gols da Alemanha na Copa do Mundo no Brasil, mas o vexame não parou apenas no esporte. Os escândalos na política do último ano podem ser considerados mais uma goleada contra a história brasileira. O portal Jovem Pan Online relembra abaixo sete momentos em que o Brasil perdeu de 7 a 1 (ou mais). Confira:

1. Corrupção na Petrobras

Recentemente tido como o maior escândalo de corrupção na história do Brasil, o esquema de lavagem e desvio de dinheiro – envolvendo Petrobras, políticos e grandes empreiteiras do país – levou ao início da Operação Lava Jato, deflagrada em março de 2014. Entre algumas das prisões feitas até hoje estão: Alberto Youssef, Paulo Roberto Costa, Renato Duque, Ricardo Pessoa, Fernando Baiano, Nestor Cerveró, João Vaccari Neto, André Vargas, Luiz Argôlo, Pedro Corrêa, Marcelo Odebrecht, Otávio Marques de Azevedo e Jorge Zelada.

2. Corrupção no Carf

A Operação Zelotes investiga um dos maiores esquemas de sonegação fiscal do país. Também deflagrada no mês de março, teve origem com uma carta anônima. A suspeita é de que as quadrilhas atuavam junto ao Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), que é ligado ao Ministério da Fazenda, revertendo ou anulando multas. Cerca de 74 processos estão sob suspeita de somar R$ 19 bilhões em valores devidos ao fisco. Já foi confirmado o prejuízo de R$ 6 bilhões aos cofres públicos.

3. Escândalo da Fifa

O FBI acusou duas gerações de dirigentes de futebol de embolsarem cerca de R$ 470 milhões em subornos e comissões desde 1991. Segundo as autoridades americanas, as transações ilícitas foram acertadas utilizando bancos dos EUA. Sete dirigentes da Fifa foram presos em Zurique, na Suíça devido às acusações. Entre os presos está José Maria Marín, ex-presidente da CBF. Entre os brasileiros acusados está José Lázaro Margulies, chefe da empresa Valente Corp. and Somerton Ltd. José Hawilla, fundador e presidente do grupo Traffic é um dos réus confessos no caso.

4. Polêmica dos Correios

Em outubro do ano passado, uma denúncia feita pelo jornal O Estado de S. Paulo mostrou que o deputado estadual Durval Ângelo (PT-MG) disse que as campanhas de Dilma Rousseff e de Fernando Pimentel (PT) cresceram graças à ajuda dos “petistas dos Correios”. Segundo Aécio Neves, na época, os Correios não cumpriram com a responsabilidade de envio de correspondências da campanha da oposição. O deputado Durval Ângelo chegou a dizer: “Se hoje nós estamos em 40% em Minas Gerais, tem o dedo forte dos petistas dos Correios”. Os Correios e a presidente Dilma negaram qualquer irregularidade.

5. Empréstimos do BNDES

O escândalo do BNDES consiste em empréstimos secretos concedidos a países como Angola e Cuba. Segundo o jornal Folha de S. Paulo revelou em abril de 2014, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel teria tornado secretos tais documentos de empréstimos às duas nações. O caso não ocorreu com outros 13 países beneficiados pelo BNDES. Segundo a revista Época, Lula atuou para ajudar a empreiteira Odebrecht a obter contratos de US$ 4,1 bilhões em projetos financiados pelo BNDES em diversos países, o que, se fosse comprovado, seria tráfico internacional de influência.

6. Máfia das órteses e próteses

As fraudes no setor foram denunciadas no início deste ano no programa Fantástico. Foi constatada a máfia em cinco Estados. Os médicos obrigam pacientes a passarem por cirurgias e implantes de próteses, em diversas vezes sem necessidade. Segundo a denúncia, os profissionais receberiam dos fabricantes entre 15% e 50% do valor dos produtos. O Senado chegou a criar uma CPI para apurar o caso e ouviu médicos, desembargadores, bem como as empresas suspeitas.

7. Pedaladas fiscais

As pedaladas fiscais consistem em manobras contábeis que envolvem uso de recursos de bancos federais para “maquiar” o orçamento do Governo federal. Em abril deste ano, o TCU emitiu parecer dizendo que o Governo cometeu “crime de responsabilidade” com tais manobras. O Governo chegou a admitir as operações, mas negou irregularidades. Agora, a presidente Dilma tem um prazo até o próximo dia 17 para explicar ao Tribunal de contas da União o que eles consideraram de “série de irregularidades” nas contas públicas de 2014.