Líder ruralista critica Kátia Abreu: ‘Muda de opinião como troca de blusa’

Declaração foi reação à fala da senadora de que “agricultores que estão alegres hoje vão chorar amanhã”

  • Por Jovem Pan
  • 13/08/2019 16h41
Marcelo Camargo/Agência BrasilA senadora Kátia Abreu (PDT-TO)

O presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputado Alceu Moreira (MDB-RS), criticou a senadora Kátia Abreu (PDT-TO) nesta terça-feira (13) afirmando que ela “muda de opinião muito rápido, como troca de blusa”.

A declaração foi uma reação à fala da senadora de que “os agricultores que estão alegres hoje vão chorar amanhã”, em referência aos impactos da política ambiental do presidente Jair Bolsonaro, que, em sua avaliação, ameaça o acesso de produtos brasileiros no exterior e pode causar prejuízos ao agronegócio.

“Kátia Abreu, nesse momento, expressa uma posição política de oposição. Aliás, se a Kátia Abreu estivesse falando na condição de presidente da CNA (a senadora foi presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária), ela diria completamente o inverso”, comentou o deputado. “É que a Kátia Abreu muda de opinião muito rápido, como troca de blusa.”

Questionada sobre a declaração de Moreira, a senadora voltou a mencionar o risco das políticas atuais repercutirem das negociações externas do País. “Prefiro mudar de opinião pelo amor, que é a ciência e o bem-estar dos consumidores, do que pela dor, que é a perda de mercados internacionais”, declarou.

Mais Kátia Abreu x Alceu Moreira

Em entrevista ao jornal “O Estado de S. Paulo”, a ex-ministra da Agricultura, que já foi um símbolo da retórica antiambiental, afirmou que “evoluiu” e que o discurso atual do setor é “antimercado” e representa atraso. Para ela, cabe ao Congresso atuar como um “aceiro”. Moreira, no entanto, afirmou que há uma campanha da Europa para derrubar a competitividade do agronegócio brasileiro, mesmo movimento que, segundo ele, já é feito há anos pelos Estados Unidos.

“A Europa quer nos atingir quando diz que estamos fazendo desmatamento desordenado. Não é a mata amazônica [que a incomoda]. É a economia, é a nossa competitividade de mercado. Eles estão querendo, na verdade, que a gente se transforme numa Argentina”, disse. “A gente não vai ficar na condição de vítima. Vamos agir com inteligência, fazer um plano de comunicação externa a partir das embaixadas brasileiras.”

De acordo com o parlamentar, os europeus querem ter controle da produção da produção nacional. “É o que eles querem. Os americanos dizem há muito tempo, ‘florestas lá, lavouras aqui’. Não é uma coisa inusitada. Adianta nós ficarmos fazendo esse belo discurso? Não. Temos que agir e mostrar para o mundo. Não são só eles que são clientes no mundo. A Ásia não pensa assim com relação à questão ambiental, os países árabes não pensam assim”, disse Moreira. Quando fazem esses controles, querem fazer a lei de mercado. Eu criminalizo meu concorrente para poder vender livre e solto. Nós não podemos ficar calados, nos queixando”, comentou.

*Com Estadão Conteúdo