Lideranças do Senado debatem Previdência; Major Olímpio quer adiar votação

  • Por Jovem Pan
  • 02/10/2019 12h41
Dida Sampaio/Estadão ConteúdoLíder do PSL na Casa tem receio que texto seja mais desidratado

O líder do governo no Senado Federal, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), está reunido, nesta quarta-feira (2) com lideranças da Casa para decidir se a votação dos destaques da reforma da Previdência será retomada ainda hoje. Após a aprovação de um destaque na votação desta terça-feira (1º), há o temor, nos bastidores do governo, que a equipe econômica sofra novas derrotas se partir para o plenário sem antes se reorganizar.

O líder do MDB, Eduardo Braga (AM), já defendeu rejeição dos destaques restantes para manter a proposta do relator. Ele foi um dos parlamentares que puxaram o grupo de 13 senadores que impôs a derrota de ontem na Previdência.

O líder do PSL no Senado, Major Olímpio (SP), defendeu adiar a sessão da reforma da Previdência no plenário da Casa para evitar mais derrotas. Acho que tinha que amadurecer um pouco mais. Vi que nada mudou da meia-noite e meia para cá”, disse. Para ele, há clima para mais desidratação. “Eu fico preocupado com isso. Ontem não faltou quórum, faltou ânimo. Não teve grandes mudanças do cenário de ontem para hoje”, declarou.

O governo pode perder ao menos outros R$ 200 bilhões da economia com a reforma caso o Senado leve a cabo a estratégia de rejeitar mais destaques. Na terça-feira (1º), o plenário rejeitou as mudanças no abono salarial, tirando R$ 76,4 bilhões do impacto da proposta em uma década.

A avaliação de fontes do Congresso é de que a votação de terça foi um recado dos senadores diante da insatisfação com os rumos da divisão da cessão onerosa -os recursos do megaleilão de petróleo do pré-sal.

*Com Estadão Conteúdo