Ligação gravada comprova que Moreira pediu propina e acompanhou pagamento, afirma MPF

  • Por Rafael Iglesias/Jovem Pan
  • 21/03/2019 19h27
Elza Fiúza/Agência BrasilEx-ministro e ex-governador do Rio foi preso nesta quinta-feira em São Paulo

Em ligações telefônicas interceptadas, Moreira Franco foi flagrado pedindo propinas e acompanhando o pagamento de valores ilícitos para um executivo da Engevix, que mantinha contratos com a Secretaria de Aviação Civil, comandada por ele entre 2013 e 2014.

A Engevix também era contratada da Eletronuclear, especificamente para a construção da usina Angra 3, e teria subcontratado a Argeplan – do coronel João Batista Lima Filho – para prestação de serviços que não eram efetivamente prestados.

De acordo com o procurador Sérgio Pinel, do Ministério Público Federal do Rio de Janeiro, Moreira articulou com executivos – hoje condenados – da Engevix para repasse de dinheiro à organização criminosa liderada pelo ex-presidente Michel Temer.

Sem revelar valores da movimentação específica, Pinel citou que o dinheiro foi transferido para a conta de outras empresas até chegar ao destino final, Temer e seus aliados. O processo era supervisionado pelo ex-ministro de Minas e Energia e ex-governador do Rio.

Segundo o MPF, Moreira Franco “não só solicitou a propina, mas também acompanhou o pagamento” e há registros disso. “Um executivo [da Engevix] estava na Noruega e ligou para Moreira Franco [para tratar do assunto]”, destacou.

“O mais importante é que o próprio executivo da Engevix prestou contas do pagamento dessa propina para o coronel Lima e para Moreira Franco no dia do pagamento.” O dia do pagamento foi o mesmo dia da ligação, que acabou sendo interceptada por investigadores.

Prisão

Michel Temer, Moreira Franco e João Batista Lima Filho foram detidos na Operação Descontaminação, desdobramento da Lava Jato, nesta quinta-feira (21). Eles estavam em São Paulo e foram transferidos para o Rio. As defesas devem pedir habeas corpus.