Lula é alvo de inquérito sobre suposto tráfico de influência

  • Por Jovem Pan
  • 16/07/2015 16h12
Brazil's former President Luiz Inacio Lula da Silva (L) and Spain's former Prime Minister Felipe Gonzalez attend a seminar entitled "New Ways of Democracy" in Sao Paulo, Brazil, June 22, 2015. REUTERS/Paulo Whitaker Reuters Lula

A Procuradoria da República no distrito Federal abriu inquérito para investigar suposto tráfico de influência internacional do ex-presidente Lula em favorecimento a Odebrecht, investigada no âmbito da Operação Lava Jato.

Os procuradores disseram ter identificado indícios suficientes para investigar Lula, após uma apuração preliminar. Esta, motivada por uma representação protocolada no Ministério Público Federal e que apontava supostas irregularidades cometidas pelo ex-presidente.

Em nota, o Instituto Lula afirmou ter recebido a notícia de abertura de inquérito com “surpresa”, já que, segundo e entidade, Lula “já entregou todas as informações solicitadas pela procuradora Mirella de Carvalho Aguiar”.

O Instituto ressaltou ainda que “entende que faz parte das atribuições do Ministério Público investigar denúncias e vemos isso como uma oportunidade de comprovar as legalidades e lisuras das atividades do Instituto Lula”.

Lula é suspeito de usar sua influência para facilitar negócios da empreiteira com governos estrangeiros onde faz obras financiadas pelo BNDES (Banco NAcional de Desenvolvimento Econômico e Social). Entre os países visitados por ele com patrocínio da construtora estão Cuba, República Dominicana, Gana e Angola.

Em maio deste ano, o Ministério Público do Distrito Federal chegou a abrir investigação de Lula por tráfico de influência internacional. Os acordos teriam ocorrido entre 2011 e 2014, após o ex-presidente deixar o Palácio do Planalto.

De acordo com reportagem da revista Época, o petista continuou usando a influência e o prestígio político que adquiriu nos oito anos na presidência do país para favorecer grandes empreiteiras brasileiras em negociações com governos estrangeiros, entre eles países da América Latina e África. As obras bilionárias seriam financiadas com dinheiro do BNDES, presidido até hoje por Luciano Coutinho.

A principal parceira de Lula no esquema seria a construtora Odebrecht, que conseguiu US$4,1 bilhões de financiamento da instituição em obras que incluem modernização de aeroportos e porto, rodovias e aquedutos em países alinhados com o PT. Apenas em 2014, a construtora recebeu US$848 milhões em operação de crédito como finalidade de seguir com empreendimentos no exterior, valor que corresponde a 42% do total de recursos distribuídos pelo BNDES.