Machado: R$ 70 milhões desviados da Transpetro foram a Renan, Sarney e Jucá

  • Por Jovem Pan
  • 04/06/2016 11h50
(E/D) Senadores José Sarney (PMDB-AP), Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado, e Romero Jucá (PMDB-RR) durante sessão deliberativa. Na pauta, o Projeto de Lei de Conversão 2/2014, que fixa nova norma de tributação de lucros de empresas controladas no exterior por matriz brasileira Foto: Waldemir Barreto/Agência SenadoSenadores José Sarney (PMDB-AP)

O ex-senador e ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado pagou mais de R$ 70 milhões desviados da estatal a três nomes da cúpula do PMDB: Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do senado, senador Romero Jucá (PMDB-RR) e o ex-presidente da República José Sarney (PMDB-AP). A Transpetro é a maior empresa de transporte de combustíveis no Brasil e subsidiária da Petrobras, principal alvo da Operação Lava Jato.

Desse valor, R$ 30 milhões teriam sido destinados a Renan Calheiros, responsável pela indicação de Machado para a presidência da Transpetro em 2003. Renan manteve o apoio de sua permanência até 2015, mesmo quando acusado pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa de receber propina.

Sarney e Jucá, por sua vez, teriam recebido R$ 20 milhões cada. Edison Lobão (PMDB-MA) e Jader Barbalho (PMDB-PR) também teriam recebido dinheiro de Machado.

As delações de Sérgio e seu filho, Expedito Machado, apontado como operador financeiro dos desvios, foram homologadas no mês passado pelo procurador-geral Teori Zavascki. Elas podem servir de base, portanto, para abertura de investigações.

Todos os políticos citados negam o recebimento de valores ilícitos.

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo.